Memórias da Aldeia – Ver o jogo no Barbieri

Meu pai, Nesio Chiaparini, nasceu em Linha 5,Gaurama, em 1929. Seu pai, José Chiaparini, chegou a Paiol Grande, em 1918, procedente de Garibaldi(RS). Veio junto com o sogro da família Sacomori em busca de um pedaço de Terra como centenas de migrantes e imigrantes.

No último sábado, véspera do Dia das Mães, tive uma conversa com o meu velho, que me contou várias histórias da Linha 4, Balisa e Gaurama.

Falou-me saudoso do tempo que frequentou a Escola em Balisa, cujo professor se chamava Ernesto Bogoni, que usava a tradicional vara de marmelo e o milho destinado aos alunos “malandros e indisciplinados”. Quando o aluno errava, ou não sabia responder, o velho mestre arrematava dizendo: “Senta e descansa o espírito…”

Recordou que a família Barbieri era procedente das Terras Velhas, responsáveis por comprar no município de Gaurama muitas colônias de pinheiros e instalaram uma serraria, moinho, barbaquá (primitiva indústria de erva mate) e uma cancha de carreira. Mais tarde, construíram uma escola (brizoleta) e formaram um time de futebol, chique…

Era uma família abonada que comprava e vendia mercadorias dos moradores das Linhas 4,5,7, Balisa e Gaurama. Foi a primeira família a possuir um automóvel naquela região. A madeira serrada era conduzida inicialmente com carroças, mais tarde em caminhões por estradas poeirentas, lamacentas e pedregosas, até a Estação Ferroviária de Balisa.

Meu avô era amigo do Sílvio Barbieri e Luiz Barbieri, e nos fins de semana iam jogar cartas na bodega do sr. Eduardo Pezzamiglio, em Balisa. Participavam as famílias: Borsoi,Pilotto, Tonin, Parmigiani, e muitas outras daquelas redondezas. Um dos fatores primordiais que contribuiu para o progresso daquela região foi a Ferrovia, que passava por Balisa. Havia um intenso movimento e uma intensa integração entre as Linhas… Nesse contexto ocorriam festas, bailes, namoros, noivados, casamentos….Meu avô, tinha uma casa enorme onde eram realizados frequentes bailes… e algumas brigas, segundo me confessou meu pai.

Quando menino, conheci o sr. Celso Barbieri, que passava seguidamente em nossa casa com um jipe e vários cachorros… Tinha por hábito caçar perdizes, abundantes na região, naquela época. Acordávamos quando criança, bem cedinho em Linha 5, com o apito vibrante da Serraria dos Barbieri. Dedico essas mal traçadas linhas à minha amiga e colega de magistério, Maria Adelaide Barbieri, que sempre me incentivou…

Por Enori Chiaparini

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais