Atlântico vai ao Paraná para se manter na liderança da LNF

O triunfo do Atlântico sobre o Magnus Sorocaba, em São Paulo, na última rodada da Liga Nacional de Futsal, é muito mais do que uma simples vitória ou mais três pontos na tabela de classificação. É o indicativo de que 2018 têm tudo para ser um grande ano para o clube. A liderança na competição nacional é apenas a soma de um planejamento que fora realizado pela direção do clube ao final da temporada passada. Nesta temporada, desde a primeira competição oficial que disputou, o Galo enfrentou de igual para igual os principais times do futsal brasileiro. As vitórias sobre Corinthians, Joinville, e mesmo a derrota para o Magnus Sorocaba na Supercopa, indicavam que o ano seria promissor.

A Liga Nacional de Futsal ainda está em sua fase inicial, mas é importante e primordial para uma grande campanha, estar brigando pelas primeiras colocações e fazia alguns anos que o verde-rubro não iniciava tão bem a maior competição do futsal brasileiro. A forma que o time vem jogando, a qualidade do grupo e os resultados dentro de quadra são um convite para que o torcedor acredite no tão sonhado título da Liga. O caminho é longo e árduo, mas o time comando por Giba parece estar evoluindo a cada nova partida.

Neste sábado, 19 de maio, às 20h15min, o Atlântico encara o Foz Cataratas, no ginásio Costa Cavalcante, em Foz do Iguaçu, no Paraná, pela oitava rodada da Liga Nacional de Futsal. O time paranaense está no meio da tabela de classificação com 10 pontos ganhos em sete jogos disputados. Jogando em casa, o Foz Cataratas está com 100% de aproveitamento. A equipe de Foz do Iguaçu não tem um grande time, mas é bem treinada por Luciano Bonfim. O fator casa será um dos elementos determinantes para uma boa campanha do Foz no certame nacional. Um empate pode ser considerando bom resultado, no entanto, é jogo em que o Galo tem reais condições de vencer e se manter na ponta da tabela de classificação.

Mudança de característica

A marcação forte e intensa sempre foi uma das principais características do Atlântico. Em 2007, quando a equipe fez a sua melhor campanha na Liga Nacional, a marcação implacável foi fundamental para o clube chegar tão longe na competição. Os times vitoriosos do Galo também tinham no setor de marcação uma de suas principais qualidades. Já a equipe de 2018, tem no ataque uma de suas principais virtudes.

No certame nacional o verde-rubro tem o melhor ataque da competição, com 40 gols marcados – nove a mais que o segundo colocado, o Magnus Sorocaba. A média de gols é de 5,7 por jogos e é óbvio que a vitória por 14 a 3 sobre o Shouse contribuiu muito para esses números, mas outras equipes também enfrentaram o clube paraense e não conseguiram o mesmo escore de gols.

Fora de casa

Na Liga Nacional do ano passado, o Galo conseguiu apenas três vitórias fora de casa em toda a competição. Em 2018, já foram duas em apenas três jogos disputados. Além de ter o Caldeirão do Galo como uma de suas principais armas, vencer jogos fora de casa é fundamental para que o clube consiga terminar a primeira fase da competição na parte de cima da tabela, e ao mesmo tempo vá preparando a equipe para decidir os mata matas longe de Erechim. A maturidade do grupo verde-rubro tem sido o diferencial para as vitórias longe de seus domínios.

Por Fábio Lazzarotto

Comentários estão fechados.