Memórias da Aldeia – Espada e enxada

Temos na verdade o Rio Grande do Sul das grandes fazendas, dos guardiões das fronteiras, das revoluções.

A metade Sul do estado é classificado como ‘O Rio Grande da Espada’. A gênese formação riograndense é eminentemente militar. A formação da cidade de Rio Grande se deu como um forte militar com o intuito de brecar os castelhanos e tentar quebrar o monopólio Espanhol no Prata.

Os primeiros fazendeiros sulinos chegavam a receber 5oo colônias. Para defendê-las, era necessário estar sempre vigilante, de arma em punho. Portanto, uma formação histórica e social, guerreira, por excelência.

De Porto alegre para o norte, temos uma formação histórica, com imigrantes açorianos, alemães, italianos e poloneses. Vingou a pequena propriedade policultura, com mão de obra basicamente familiar… Júlio de Castilhos, chamou a cidade de Caxias do Sul de Pérola das Colônias.

Temos uma cultura européia, uma vontade férrea de trabalhar, progredir, investir.

Nossos antepassados vieram para América escapando da fome e da miséria… Constitui-se na Metade Norte uma economia diversificada, tendo como unidade básica a família, calcada nos princípios básicos da doutrina positivista: ordem e progresso.

Em Erechim, na entrada da Av. Maurício Cardoso, vemos o Colonizador, com a enxada e com o dístico: Ao defrontares com esse símbolo, pensa naqueles que, alheios aos gozos mundanos só tem como glória o suor do seu esforço…

Por Enori Chiaparini

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais