Seminário de Iniciação Científica da URI reúne mais de oitocentos acadêmicos

A URI Erechim está sendo palco do maior evento acadêmico da Universidade. Durante todo o dia, mais de oitocentos alunos da URI e de diversas outras instituições de ensino superior do estado estão mostrando as suas pesquisas no XXIII SIIC (Seminário Institucional de Iniciação Científica). O Seminário, que tem o apoio da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), FAPERGS (Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul) e CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico),

conta, ainda, com o XXI Seminário de Integração de Pesquisa e Pós-Graduação e o XV Seminário de Extensão. A abertura do encontro foi prestigiada pelas seguintes autoridades acadêmicas: Reitor Luiz Mario Silveira Spinelli; Pró-Reitor de Ensino, Arnaldo Nogaro; Pró-Reitor de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação, Giovani Palma Bastos; Pró-Reitor de Administração, Nestor Henrique de Cesaro; Diretor-Geral do câmpus, Paulo José Sponchiado; Diretora Acadêmica, Elisabete Maria Zanin;  Coordenador do SIIC e representante do CIAP (Comitê Interno de Avaliação de Projetos de Pesquisa), Marcelo Mignoni; Representante do CIAPEx (Comitê Interno de Avaliação de Projetos de Extensão), Raquel Lorenzi; Coordenador do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP), Claodomir Antônio Martinazzo; e o Coordenador do Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA), Amito José Teixeira.

Para o Diretor-Geral da URI Erechim, Paulo José Sponchiado, esse está sendo um grande momento na vida acadêmica do câmpus. “É o momento certo para socializar tudo aquilo que estamos produzindo em pesquisa e extensão nessa Universidade, fator que pode contribuir para a transformação social e a melhoria da qualidade de vida das pessoas”.

O Pró-Reitor de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação, Giovani Palma Bastos, destacou a grande evolução na pesquisa e na extensão da Universidade. Nesse sentido, reconheceu o esforço das direções reservando e destinando recursos para isso. Segundo ele, o desafio da universidade brasileira é a inovação tecnológica, pois o Brasil ocupa um lugar medíocre nesta área. “Precisamos parar de importar e começar a desenvolver produtos e serviços para o mercado que gerem valor para alguém”, desabafou. Salientou que no evento deste ano, a URI recebe 600 trabalhos de pesquisa e cerca de 800 inscritos de todos os câmpus.

De acordo com o Reitor, ver o Salão de Eventos repleto de jovens ocupados nas áreas de pesquisa e extensão é motivo de alegria. “Cada vez estou mais convicto. O ensino só terá sentido se nós, enquanto universidade, conseguirmos incrementar bons espaços de pesquisa e extensão”, salientou Spinelli.

O convidado especial do SIIC foi o pesquisador Átila Iamarino, de São Paulo, que falou sobre como se pode construir uma carreira profissional através da comunicação científica. Átila mostrou aos participantes do Seminário a importância da tecnologia atual na divulgação do conhecimento, especialmente das pesquisas realizadas desde a iniciação científica. Para exemplificar, citou o seu caso, onde atua no canal Nerdologia, do You Tube, onde analisa, com muitos outros cientistas, as pesquisas realizadas por ele e seu grupo de pesquisadores, como o público em geral pode ter acesso e entender a importância do trabalho realizado pela ciência.

Apresentou aos acadêmicos e pesquisadores presentes, o seu tempo de estudante, desde a sua graduação em Biologia, até o seu pós-doutorado em microbiologia nos Estados Unidos, como seus estudos podem ajudar numa melhor compreensão do público leigo a respeito de doenças transmitidas pelo mosquito nas diversas regiões do país e que têm causado grande preocupação à saúde pública. Por isso, salientou, quanto mais informações forem repassadas ao público, melhor será a compreensão a respeito disso. E as redes sociais servem justamente para esse fim.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais