URI promove encontro com lideranças femininas da região

          A URI Erechim reuniu na sexta-feira, 14, no Anfiteatro da Universidade, um grande número de lideranças femininas da AMAU (Associação dos Municípios do Alto Uruguai) e da AMUNOR (Associação dos Municípios do Norte do Estado). O encontro teve como objetivo aproximar ainda mais a Universidade com estas regiões.  
        Um grande número de primeiras-damas, acompanhadas de outras lideranças femininas, representaram os 32 municípios da AMAU e os 19 municípios da AMUNOR. Entre as presentes, a Prefeita de Santa Cecília do Sul, Jusene Peruzzo, também Presidente da AMUNOR, que sugeriu o encontro, e a Presidente da Associação das Primeiras-Damas da AMAU, Rosângela Montepó, de Campinas do Sul.
       As participantes foram recepcionadas pelo Diretor-Geral do Câmpus, professor Paulo Roberto Giollo, que falou da alegria em recebê-las na Universidade. “Este encontro significa o primeiro de muitos ainda que poderão ser realizados no sentido de aproximar cada vez mais a Universidade dos municípios dessas duas regiões, que sempre acreditaram na URI como a grande alternativa para a formação superior”, afirmou Giollo.
        As convidadas tiveram a oportunidade de participar de duas palestras, ministradas por professores do Câmpus. Na primeira delas, o professor Rodrigo Cechett, coordenador da Assessoria de Marketing, Comunicação e Eventos, falou sobre a importância da marca pessoal, ou seja, do trabalho que cada uma faz e que pode trazer reflexos positivos ou negativos para sua comunidade, uma vez que se trata de um serviço público.     
         Por sua vez, o Coordenador do Curso de Psicologia, professor Felipe Biazus, expôs dois conceitos importantes para se pensar no ser humano atualmente, abordando a autoestima e a resiliência. Nas palavras do professor, “a autoestima é um fator componente da resiliência, que se refere à capacidade que os seres humanos têm de superar e sair fortalecidos quando submetidos aos efeitos de uma situação de extrema adversidade. Trata-se de um processo adaptativo, que implica em continuar a se desenvolver bem, apesar da adversidade, das ameaças ou mesmo do estresse gerados”. Neste sentido, destacou o professor, “é importante o autoconhecimento e a valorização que cada um faz de si e de suas capacidades frente aos dilemas vivenciados no cotidiano”.

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais