Erechim engajada em campanha nacional em favor de crianças e adolescentes

A data de hoje, 18 de maio, marca o dia nacional de luta contra o abuso e a exploração sexual de acrianças e adolescentes ancorado pela campanha “Faça bonito. Proteja nossas crianças e adolescentes”. A Secretaria de Cidadania, por meio do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) promoveu, nesta manhã, encontro que abordou o assunto e lotou o auditório da URI. Flores amarelas, símbolo da campanha desde 2009, foram distribuídas aos presentes para lembrar cuidado e sensibilidade.

Na presença do prefeito municipal Luiz Francisco Schmidt, da presidente do Comdim, Maria Carmenita Fernandes, da presidente do Comas, Margarete Thecovisk, da presidente do Condicae, Adriana Sechi, de secretários municipais, vereadores, representantes de entidades de classe e de uma plateia atenta, o grupo de Teatro Cras do Linho abriu o evento e sensibilizou a todos com tocante apresentação de número artístico.

Ao se pronunciar, a Secretária Municipal de Cidadania lembrou que os presentes estavam reunidos para refletir e agir, para fazer ideias tornarem-se atos do cotidiano. “Que a sociedade parta para ação em defesa dessas crianças e adolescentes e contribua realmente para que os números atuais da violência fiquem no passado”,conclamou Linir Zanela. Já a vereadora Sandra Picoli, representando a casa Legislativa, ao usar a palavra ressaltou a necessidade de se falar sobre o assunto, afastando o medo e aumentando a confiança dos que sofrem agressões.

Luiz Francisco Schmidt ao lembrar casos de violência que chamaram a atenção da sociedade reforçou a importância do encontro para desmistificar o tema. “Acredito na responsabilidade que cada um aqui tem. É nosso papel combater esses atos e não colaborar para banalizar essa questão”, disse o prefeito de Erechim ao observar que “Só se é criança uma vez na vida e isso merece respeito!” 

A psicóloga Liseane Madalozzo, palestrante do encontro, ao abordar o tema “Infância roubada: um olhar sobre a violência sexual contra crianças e adolescentes” alertou que “o abuso é crime, mas também uma patologia”. Ao esclarecer que quem é agredido também pode vir a reproduzir o comportamento, apresentou dados resultantes de estudos. Dentre eles:

-40% das crianças abusadas têm entre 8 e 14 anos;

-Um em cada quatro casos envolve uma criança de até 1 ano de idade;

-Em 65% dos acasos o abusador é alguém do convívio familiar;

-É o segundo tipo de violência mais comum em crianças de até 9 anos;

-Cerca de 15 milhões de adolescentes meninas entre 15 e 19 anos no mundo foram vítimas de atos sexuais forçados, 9 milhões somente no último ano;

-Em Erechim, 14 denúncias de abuso foram registradas no ano passado.

Comentários estão fechados.