Na missa do Crisma, Bispo lembra os desafios dos padres em seu ministério

 

Dom José presidiu a missa do Crisma na Catedral na noite desta quarta-feira, véspera do início do Tríduo Pascal, concelebrada por mais de 40 padres, com a participação de 5 diáconos, os seminaristas diocesanos e saletinos, religiosas, ministros e expressivo número de outras pessoas.

Após a homilia, o Bispo convidou os padres a renovarem os compromissos de sua ordenação presbiteral e abençoou o óleo para a primeira unção batismal e o óleo para a unção dos enfermos e consagrou o óleo para a crisma e para as ordenações presbiterais e episcopais.

No final da missa, Dom José pediu aos padres para ficarem com ele na frente da assembleia litúrgica. Disse que o fazia a fim de que todos pudessem ver o rosto de seus padres, que não são perfeitos, mas que são os que Deus chamou para estarem a serviço do povo. Solicitou a oração de todos por eles. Os presentes os aplaudiram com forte e prolongada salva de palmas. Em seguida, Dom José apresentou os seminaristas. Antes de encerrar a celebração com a bênção, entregou aos padres o conjunto dos óleos para os sacramentos em suas Paróquias com a afetuosa saudação a cada um.

Dom José iniciou a homilia lembrando a graça da vocação dos ministros ordenados, chamados a servir o Senhor na Igreja povo de Deus. Por esta graça, são gratos a Deus e também ao povo ao qual servem, apesar de suas limitações, porque os inclui em suas orações para poderem perseverar no ministério. Lembrou a necessidade de os ministros ordenados alimentar-se e alimentar o povo ao qual servem com o Pão da Palavra e o Pão da Eucaristia. Citou o Papa Francisco em encontro com os padres da Diocese de Palermo no qual disse que “o padre é o homem do dom, do dom de si, todos os dias, sem férias e sem pausa. Porque a nossa, queridos sacerdotes, não é uma profissão, mas uma doação; não é um trabalho, mas uma missão.” “O sacerdote é homem de Deus 24 horas por dia, não homem do sagrado quando veste os paramentos. Na ocasião, o papa desejou que a liturgia seja para vida para os padres, não somente rito. Afirmou ainda que, além de ser o homem do dom, o sacerdote é também o homem do perdão. Depois o Bispo referiu-se às leituras da celebração que falavam da vocação de Isaías e do início da pregação de Cristo na sinagoga de Nazaré. Lembrou as dificuldades que os profetas e o próprio Cristo enfrentaram. Em sua missão, os ministros ordenados também encontram muitos desafios. Ser presença na vida dos pobres é exigente, mas não podem se acomodar e optar pela atitude da indiferença, ao invés de ser presença confortadora como fez Maria de Nazaré diante da cruz. “Ela não podia mudar o que estava acontecendo, mas ela estava ali para morrer com Ele”. Desejou que o testemunho dela de amor e fidelidade ao Senhor Jesus os motive sempre a viver a vocação e missão com paixão e esperança, confiando nele que os assiste na caminhada, mesmo quando encontrarem pedras e espinhos no caminho que percorrem na missão de amar e servi-lo, servindo os irmãos e irmãs, na Igreja comunidade de fé.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais