Produtividade das lavouras de soja está acima da expectativa inicial

Os produtores intensificam a colheita de soja na região do Alto Uruguai, dando uma pausa na colheita da cultura do milho, aproveitando as condições climáticas favoráveis com dias ensolarados, segundo informativo conjuntural do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim. As chuvas aconteceram no final de semana com precipitações variando de 25 a 90 milímetros. Até o momento, cerca de 95% da área cultivada com soja de 243 mil hectares já estão colhidas. A produtividade média, até o momento, está acima da expectativa inicial que era de 3.630 kg/ha, pois está sendo colhido de média 3.960 kg/ha, com registros de lavouras com média de 4.260kg/ha, de acordo com levantamento da Emater/RS-Ascar.

A colheita das lavouras de milho, com área total plantada na região de 49.585 hectares, divididos em 33.330 hectares para grãos e 16.255 hectares para silagem, deve ser retomada com a conclusão da colheita da soja. O milho para silagem está praticamente todo colhido com produtividade média de 40t/ha. A produtividade das lavouras de milho na região atinge os 8.490 kg/ha, embora tenha lavouras com produtores colhendo até 12600 kg/ha. No momento, em torno de 85% da área está colhida, os 15% restantes estão maduros por colher. Preço médio variando de R$ 34,00 a 35,00 a saca, mantendo a média da semana passada.

As lavouras de feijão, 2ª safra, com área plantada de 840 hectares estão com 50% colhido e produtividade média de 1.500 kg/ha.

Olericultura

Mais de 90% da beterraba e da cenoura consumidas na região do Alto Uruguai vem de outras regiões, segundo levantamento do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim. A produção de alface enfrenta problemas com o clima que não tem sido favorável. A colheita do pepino está em fase final. A rúcula e a radiche têm boa aceitação no mercado. O repolho está em plena safra e com preços em queda.

Erva-mate

A produção média de 700 arrobas/ha. Os preços variam de R$ 9,00 a R$ 10,00/arroba.

Fruticultura

Os pomares de noz-pecã estão em fase de frutificação com expectativa de produção abaixo do esperado devido, inicialmente, pouco frio no último inverno e excesso de chuvas na floração. Os preços variam de R$ 10,00 a R$ 20,00/kg com casca, dependendo da qualidade.

A produção do morango apresenta baixa produção. Neste período, produtores realizam podas para a renovação das plantas e aumento da produção futura. As variedades Camarosa e Pircinque são cultivadas em solo, enquanto as variedades Albion e San Andreas são cultivadas no sistema em substrato. O preço do quilo varia de R$ 10,00 a R$ 18,00.

O caqui tem boa colheita. O preço varia de R$ 2,50 a R$ 3,50/kg para o produtor.

A cultura da laranja apresenta-se em fase de desenvolvimento de frutos, com exceção das variedades precoces em fase de maturação e colheita. Segundo informativo da Emater/RS-Ascar, a incidência de pragas e doenças nesta safra é baixa, seja pelo manejo que parte dos produtores aota ou pela fase inicial de desenvolvimento que a cultura se apresenta. Parte dos produtores realiza pouco ou não realiza tratamentos fitossanitários devido à falta de mão de obra e disponibilidade de equipamentos apropriados para este manejo.

Situação das criações

Apicultura: Os dias ensolarados da última semana facilitaram a atividade apícola. A produtividade média tem sido de 20 kg/colmeia. Os municípios com alta produção estão tendo dificuldades de vender o produto. O mel está sendo vendido entre 8,00 e 25,00 R$/kg; o pólen, com embalagem de 130 gramas, R$ 25,00; a própolis, com embalagem de 100 ml, R$ 15,00. Preço estável na semana.

Bovinocultura de corte: As pastagens de verão estão envelhecendo, tendo início a implantação das forrageiras de inverno. Faltam compradores e sobram bois no pasto. Os bovinocultores estão recebendo pelo boi gordo R$ 4,60 (a pasto) a 4,90 R$/kg (confinado), média geral 4,70 e pelo terneiro para reposição R$ 5,50. Preço estável na semana.

Bovinocultura de leite: A baixa oferta de forragem tem ocasionado aumento no uso de silagem na alimentação dos rebanhos. Inicia a semeadura das forrageiras de inverno. A qualidade das pastagens de verão está baixa, o que tem aumentado o fornecimento de silagem. O leite foi comercializado R$ 0,80 a R$ 1,30, média de R$ 0,96, de acordo com o volume e a qualidade do produto. Preço estável na semana.

Piscicultura: Dias com menos horas de luz tem deixado os piscicultores em alerta. A semana foi de manutenção, calagem e adubação dos açudes. Peixes comercializados entre R$ 8,00/kg (carpa inteira) a R$ 25,00/kg (filé de tilápia).

Suinocultura: Predomina na região a integração total, onde o agricultor recebe os animais e os insumos. Neste sistema, os suinocultores receberam entre R$ 20,00 R$ 30,00 por animal terminado. Para integrados, o suíno foi comercializado a 2,80 R$/kg. Preço estável na semana.

Preços

Produto                                 Preço médio da semana R$                 Observações

Soja                                      75, 00 – 81,00/sc em 21 dias                    Preço Cotrel

Milho                                    34,00 – 35,00/sc em 35 dias                     Preço Cotrel

Feijão                                  100,00/sc em 35 dias                                Preço Cotrel

Bovinos (peso vivo)             4,60 – 4,90 R$/kg PV                                Preço produtor

Leite                                    0,80 – 1,30 R$/L                                       Preço médio ao produtor

Mel                                     8,00 – 25,00 R$/kg                                    Preço produtor

Carpa (peixe vivo)             8,0 a 10,00 R$/kg                                      Preço produtor

Tilápia (filé)                       25,00/kg                                                     Preço produtor

Suínos                             2,80/kg                                                        Preço Cotrel

Comentários estão fechados.