Disciplina de curso de História utiliza cantoras pop na abordagem de temas contemporâneos

Para tratar assuntos como negritude, misoginia e LGBTfobia, professor da UFFS aceita desafio de alunos e inclui Beyoncé, Madonna e outras cantoras no plano de ensino. Mais de 30 acadêmicos já se inscreveram na disciplina, que é optativa

Orlando, Estados Unidos, 2016. Um massacre a tiros em uma boate voltada ao público LGBT tira a vida de 49 pessoas e deixa outras 53 feridas. Momentos depois, ecoa o discurso de uma pessoa pública, que diz: “Como nós testemunhamos agora o maior ataque a tiros na história americana, não posso evitar de sentir que esse nível de ódio, como todos os crimes de preconceito, é um ataque contra a própria humanidade. Isso é um ataque a todos”. A pessoa, depois, cita o nome de cada uma das 49 vítimas. O relato, emocionado, poderia ser de qualquer autoridade política. Mas não. Quem o fez foi Stefani Joanne Angelina Germanotta, cantora pop conhecida pela alcunha de Lady Gaga.

O discurso emitido pela artista talvez seja uma das formas mais claras de exemplificar como a cultura popular adere-se aos problemas sociais e os faz mais visíveis e acessíveis para a grande população. Claro, não é de hoje. Uma das obras mais emblemáticas de Pablo Picasso, o quadro intitulado “Guernica” refletiu o bombardeio à cidade de mesmo nome durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). No Brasil, em meados de 1974, Elis Regina entoava a canção “O mestre-sala dos mares”, de João Bosco e Aldir Blanc, que foi censurada no período da ditadura: “Salve o navegante negro, que tem por monumento as pedras pisadas do cais”. Assim, ao longo da História, são diversos os momentos em que a arte mistura-se aos tensionamentos de seu tempo.

A música pop tem o poder de chegar ao público pela linguagem acessível e altamente difundida pelos meios de comunicação. Com o atrativo visual, em que imperam muitas cores e brilhos, ela congrega crianças, jovens e adultos. Conforme o professor Fábio Feltrin de Souza, docente da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Erechim, milhões de pessoas ouvem e consomem as canções das divas pop. “São fãs que constroem suas identidades e seus grupos a partir delas, e isso tem um impacto vigoroso na forma como as relações sociais estão”, afirma.

Fábio é professor no curso de Licenciatura em História da UFFS. É bacharel, licenciado, mestre e doutor na área, com três pós-doutorados – na Unicamp, na Stony Brook University (EUA) e na Universidade Nova de Lisboa (Portugal). Sua trajetória acadêmica inclui pesquisas, artigos e livros ancorados nos Estudos Culturais. Já escreveu sobre racismo, sexualidade, historiografia, arte, literatura, identidades, gênero, cultura, linguagens e subjetividades. No que tange à música, sua dissertação de mestrado versou sobre a relação entre o rock brasileiro e uma nova experiência com o tempo.

Foi sabendo de todo o interesse do professor por essas temáticas que um grupo de estudantes propôs ao docente um desafio: desenvolver o plano de estudos de uma disciplina optativa do curso de História relacionando os comportamentos, posturas e bandeiras defendidas pelas cantoras pop com o referencial teórico que dá suporte às reflexões acadêmicas do docente e do próprio curso. O desafio foi aceito. “Resolvi aceitar justamente por compreender a importância de produzir um diálogo cada vez mais orgânico entre o conhecimento acadêmico e o cotidiano dos estudantes”, conta Fábio.

Nasceu assim uma proposta para a disciplina optativa de Seminário Temático em História III. O título chamou atenção: “Divas Pop e a subversão das identidades”. A iniciativa de abordar aspectos das ciências humanas a partir da cultura pop deu tão certo que mais de 30 acadêmicos se matricularam para as aulas.

Para o professor, é importante tratar o fenômeno cultural pop à luz de uma teoria social clássica. “Todos os artistas elencados como ponto de partida dos debates teóricos romperam com paradigmas comportamentais e alertam para temas urgentes das sociedades ocidentais, principalmente a brasileira”, pontua. “Por isso a cultura pop é um grande vetor de construção e desconstrução de identidades, com suas potências e limites mercadológicos também”.

O plano de ensino da disciplina é colorido. Além de Lady Gaga, tem Cyndi Lauper, Rihanna, Beyoncé, Linn da Quebrada, Pabllo Vittar e, claro, Madonna. As temáticas trabalhadas pelo professor são diversas: incluem a negritude, o feminismo, a misoginia, LGBTfobia, entre outros assuntos atuais.

“O Brasil não só teve quase 400 anos de escravidão, como foi o último país do mundo a aboli-la, e seus efeitos são dramaticamente percebidos ainda hoje, principalmente no que tange à violência contra negros”, destaca o professor Fábio, pontuando sobre uma das temáticas abordadas na disciplina.

“Nosso país tem uma das mais altas taxas de feminicídio e estupro de mulheres do mundo. Do mesmo modo, é o país que mais mata LGBTs. Trago essas informações para mostrar a importância de enfrentarmos esses temas à luz das teorias sociais contemporâneas, fortemente reconhecidas como as mais apropriadas para lidar com essas temáticas já consagradas nos Estudos Culturais, na História, na Sociologia, na Linguística e na Teoria Literária. Nossos alunos vão ler um vasto número de textos e livros clássicos dessas abordagens e que são estudados por pesquisadores e estudantes em várias universidades do Brasil e do mundo”, destaca.

Números recentes mostram que os casos de feminicídios aumentaram 7,3% no Brasil – uma realidade que precisa ser tratada nos bancos universitários para ensinar os futuros professores a lidar melhor com essas temáticas em sala de aula. E se para tratar deste triste cenário a música pode ser uma ferramenta didática poderosa, a pergunta é: por que não?

A música, por si só, já contém aspectos políticos. Beyoncé, na canção “Freedom”, fala sobre a liberdade negra para além da escravidão, sobre negros serem livres para viver suas histórias apesar do racismo e da discriminação. Mas o engajamento vai muito além dos versos. No ápice do HIV nos Estados Unidos, Madonna arrecadou fundos para pesquisas e protestou publicamente sobre o descaso, a segregação e o preconceito para com os infectados.

“Desde a década de 1960 o mundo vem passando por grandes e aceleradas transformações sociais, culturais e econômicas. Assistimos a emergência de novos movimentos sociais, lutas por direitos civis, lutas por mais democracia e o processo de descolonização das Áfricas”, explica o professor Fábio. “Tudo isso impactou o modo como as Ciências Humanas tratam seus objetos e a História, claro, não ficou imune. Digo isso pra lembrar que, hoje, nenhum profissional minimamente sério da área compreende nossa profissão como a narrativa dos grandes feitos, dos grandes homens.”

Assim, conforme o docente, a temática da História das mulheres, das relações entre os gêneros, das relações étnico-raciais e a aproximação cada vez mais forte com os debates públicos entrou de maneira irreversível e decisiva na agenda dos historiadores e na formação de professores.

“A disciplina visa, também, capacitar os futuros professores para lidarem com temas cotidianos e urgentes como o machismo, o feminicídio, a homofobia, o racismo e as lutas por mais direitos e justiças, a partir deste artefato cultural que é a música. Não há como pensar um professor de História que não consiga lidar com essas temáticas”, diz Fábio.

A disciplina optativa de Seminário Temático em História III é um dos mais de 30 componentes curriculares optativos disponíveis no curso da UFFS. Os seminários possibilitam ao professor ofertar um curso mais direcionado às suas pesquisas e leituras recentes, ou desenvolver temáticas contemporâneas e de relevância social.

Com a suspensão das atividades acadêmicas na UFFS em virtude do coronavírus, os alunos matriculados na disciplina aguardam o retorno das aulas para continuarem os estudos, como é o caso do acadêmico Lucas Gabriel Buffon, um dos vários entusiastas das aulas ministradas pelo professor Fábio.

“Acredito que a disciplina está proporcionando uma reflexão da História do tempo presente e necessária”, diz o aluno. “Ao olharmos a História como uma ciência do presente percebemos que as divas pop fazem parte do cotidiano das pessoas. A disciplina representa uma resposta acadêmica que concilia cultura pop e teoria como forma de enfrentamento aos altos índices de LGBTfobia, feminicídio e racismo.”

Lucas acredita que as divas pop que embasam o plano de ensino, sempre em seu repertório audiovisual e de ativismo político, abraçaram as pautas da diferença. “Convém agora à universidade, de forma responsável e ética, problematizar academicamente essas artistas, amparada em textos queer, feministas, decoloniais e pós-coloniais”, fala.

Para o professor Fábio, o diálogo entre a música pop e os conteúdos curriculares é uma forma de despertar o interesse dos acadêmicos para as temáticas do curso, tornando o processo de ensino ainda mais atraente. “Um colega disse que uma das maiores dificuldades da docência do magistério superior é falar a mesma língua que nossos estudantes e mostrar que o conhecimento abstrato das ciências é vivenciado por eles no seu cotidiano. O que pretendo com essa disciplina, principalmente depois do desafio lançado pelos meus alunos, foi tomar um objeto cultural absolutamente conhecido (por isso o chamamos de pop) e examiná-lo à luz de teorias e conceitos complexos que estruturam o modo como as Ciências Humanas produzem conhecimento”, diz o docente.

Para o acadêmico Adriano Bertolassi, os temas tratados refletem novas perspectivas para o campo da História. “A disciplina favorece a compreensão de uma dinâmica de exclusão e aversão a indivíduos que não correspondem aos papéis que a sociedade impõe”, diz o aluno.

“É notório que a nossa formação se tornaria fraca e insuficiente sem tratar de muitas dessas discussões. Formar um professor crítico e produtor de conhecimento em pleno século XXI sem abordar essas temáticas seria quase como um silenciamento, ainda maior, dessas comunidades [negra, LGBT, etc]. Comunidades que estão avançando gradualmente no cenário social e que geram um grande debate sobre repensar a estruturação da sociedade fora da chave misógina e antiquada de papéis de gênero que se convencionou como norma. Não falar sobre esses corpos é apagá-los do nosso processo historiográfico e tirar deles a sua própria história. Seria o nosso retrocesso como sociedade”, finaliza o acadêmico da UFFS.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais