Uma carona para o futuro

Era para ser apenas uma carona a Porto Alegre, onde iria encaminhar alguns contatos para divulgação de ‘A Tenda Branca’, acompanhar o lançamento do 8º livro do médico Nilson Luiz May (o contundente, perturbador e irretocável ‘Boque da solidão’), além de realizar serviços de assessoria para a Unimed RS.

Ao meu lado, na condução de seu possante Volvo, o amigo Alcides Mandelli Stumpf – presidente da Unimed Erechim e diretor do Instituto Unimed RS, que estava se deslocando à capital do Estado a fim de desempenhar suas atividades e agendas junto ao Instituto (entre as quais, almoço com o governador José Ivo Sartori, no Piratini).

Lá pelas tantas, creio que a partir de Passo Fundo – depois das tradicionais amenidades que davam conta dos afazeres cotidianos de ambos, Stumpf enveredou por um assunto que nos acompanhou até Porto Alegre (e além): o futuro.

Mas, não o futuro como eu, inadvertidamente, conhecia ou imaginava.

Foram cerca de 3h30min de uma ‘entrevista’ espontânea – tão profícua quanto longa, fruto da participação do médico, na semana anterior, no CMO Digital Day, evento promovido pelo Digitalks na sede do Mercado Livre, em Osasco (SP).

O CMO Digital Day, organizado por Martha Gabriel, que já esteve em Erechim numa palestra sobre Neurociência e atualmente é uma das personalidades mais requisitadas para falar de ‘inovação’ e ‘tendências’, discutiu estratégias do marketing digital, fomentando o ambiente de negócios e de conhecimento.

Somado à participação no curso – onde Alcides Mandelli Stumpf, aos 63 anos, se revelava o ancião da ‘tchurma’ constituída basicamente por jovens da geração ‘Y’ – o médico trouxe na bagagem (derramando pela estrada) elementos da recém-lançada obra ‘Homo deus: uma breve história do amanhã’, de Yuval Noah Harari, autor de Sapiens.

A seguir reproduzo alguns trechos do bate-papo, escorado pela memória e análises do jornal inglês The Guardian, na esperança de que estas linhas possam ser úteis na esquina do tempo que avança de forma assustadoramente veloz; mesmo para os alienados…

De cara, é importante frisar que quem não estiver atento às mudanças tecnológicas e a evolução digital estará, logo ali, fora do mercado. Sim, fora!

Para entender melhor este cenário, Homo deus traz em seu âmago uma ideia simples, mas arrepiante: a natureza humana será transformada no século XXI porque a inteligência está se desacoplando da consciência.

‘Não vamos construir tão cedo máquinas que, como nós, possuam sentimentos, o que se chama consciência’, reforça Stumpf, porém, o fato é que já construímos máquinas que conseguem identificar nossos sentimentos melhor do que nós mesmos: isso é inteligência.

Na raiz, os algoritmos

O Google — o mecanismo de busca, não a empresa — não possui crenças ou desejos próprios. Ele não se importa com o que buscamos e nem vai ficar ofendido com o nosso comportamento. Mas consegue processar esse comportamento para saber o que queremos antes que nós mesmos o saibamos. Isso tem o potencial de alterar o significado de ser humano.

Não apenas conquistamos a natureza, mas começamos também a derrotar os piores inimigos da humanidade, como a guerra, a fome e boa parte das doenças, diz Harari. Obtivemos tais triunfos ao construir redes cada vez mais complexas que consideram os seres humanos como unidades de informação.

A ciência evolucionária ensina que somos, em última análise, algoritmos – e ao manipular esses dados, podemos determinar nosso destino e daqueles que nos cercam.

The Guardian, numa crítica ao livro de Harari, enfatiza, todavia, que o problema é que outros algoritmos — aqueles que construímos — podem fazer isso de maneira muito mais eficiente que nós.

Alcides Stumpf – na direção do Volvo e correndo atrás do tempo e do saber – concorda com isso. E é exatamente tal elemento que o autor de Homo deus quer dizer ao falar no desacoplamento da inteligência e da consciência.

Somos o que dá às redes o poder

O projeto da modernidade foi erigido sobre a ideia de que os indivíduos são a fonte tanto do significado quanto do poder. Somos concebidos para fazer escolhas: como eleitores, como consumidores, como amantes. Isso, porém, não é mais verdade. Somos agora o que dá às redes o seu poder: elas usam nossas noções de significado para determinar o que vai acontecer conosco. Com nossos aplicativos, usos e costumes, servimos de fonte e ‘cobaia’ para alimentar esta grande rede virtual de informações.

Não estamos senão no início desse processo de transformação orientada por dados, e Harari diz que não há muito o que possamos fazer para frear o processo.

Para Stumpf, Homo deus é um livro do gênero “fim da história”, mas não no sentido bruto de acreditar que as coisas chegaram à sua conclusão. Antes o oposto: as coisas estão se movendo tão rápido que é impossível imaginar o que o futuro possa trazer.

Em 1800, era possível conjecturar sobre como seria o mundo de 1900 e qual seria nosso lugar nele. É isto o que é a história, uma sequência de eventos em que os seres humanos são os protagonistas. Mas o mundo de 2100 é agora, no presente, quase inimaginável. Não temos a mínima ideia de onde vamos nos encaixar, se é que vamos. Podemos ter construído um mundo que não tem lugar para nós.

A crença do comando

Considerando o quão alarmante é pensar assim, e uma vez que ainda não chegamos lá, por que não fazer algo para impedir que isso ocorra?  Harari supõe que a crença moderna de que os indivíduos comandam seu destino nunca foi muito mais do que uma crença. O poder real esteve com as redes. Indivíduos são criaturas relativamente impotentes, não sendo páreo para leões ou ursos. É o que os indivíduos podem fazer como grupos que lhes permitiu assumir o controle do planeta. Tais agrupamentos — corporações, religiões, Estados — compõem agora uma vasta rede de fluxos de informação interconectados. Encontrar pontos de resistência, onde unidades menores podem resistir às ondas de informações afogando o mundo, torna-se mais difícil a cada minuto.

Alguns têm desistido da luta. No lugar dos princípios fundadores da modernidade — o liberalismo, a democracia e a autonomia pessoal — há uma nova religião: o dataísmo.

Nossos gostos e nossas experiências irão se fundir. Nossas expectativas de vida também poderão aumentar consideravelmente: dataístas acreditam que a imortalidade é a próxima fronteira a ser cruzada. Mas a desvantagem é óbvia, também. Quem seremos “nós” depois de tudo? Nada mais do que uma acumulação de pontos de informação. As distopias políticas do século XX buscavam esmagar os indivíduos com o poder do Estado. Isso não será necessário no século em marcha. Como diz Harari: “No século XXI há mais probabilidade de que o indivíduo se desintegre suavemente por dentro do que brutalmente esmagado de fora”.

Serão exigidos níveis heroicos de educação e nenhuma dose de escrúpulos em fundir sua identidade pessoal com máquinas inteligentes. A partir de então, será possível se tornar um dos novos “deuses”. É uma perspectiva sombria: uma pequena casta sacerdotal de videntes com acesso à melhor fonte de conhecimento, e o resto da humanidade como simples ferramentas de seus vastos esquemas. O futuro poderia ser uma versão digital com carga plena do passado distante: o Antigo Egito multiplicado pelo poder do Facebook.

Harari é cuidadoso o suficiente para não afirmar que essas bizarras previsões irão de fato ocorrer. O futuro, afinal, é desconhecido. Ele reserva suas opiniões mais contundentes para o que tudo isso deve significar para o estado atual das relações entre os seres humanos, as máquinas e os animais. Se a inteligência e a consciência estão se separando, isso situa a maioria de nós na mesma posição que os outros animais: seres capazes de sofrer nas mãos dos possuidores de inteligência superior.

Humanismo sustentável

Neste esquema, encerra Alcides Mandelli Stumpf – que proporá a temática ‘Futuro’ para enredar o pano de fundo do próximo Fórum Instituto Unimed RS, em junho de 2018 – a polaridade entre os super homens do por vir e os desafortunados do futuro nos faz pensar em soluções – quiçá – viáveis, como a ‘cooperação flexível’. Tal conceito, diz o médico, talvez sirva como uma espécie de colchão do tempo, tornando menos traumática a transição para o futuro. ‘Pode até ser paliativa, mas dá um novo alento ao que chamo de humanismo sustentável – quem sabe o último reduto do humanismo orgânico. Até porque há vários indícios de que o futuro poderá ser inorgânico, embora nosso filho’, arremata para, em seguida, desligar o motor de seu carro inteligente. Chegamos.

Por Salus Loch 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais