Emater/RS-Ascar promove capacitação em cultivo de hortaliças

75

A Emater/RS-Ascar promoveu uma capacitação sobre cultivo de olericultura, nesta quinta-feira (16/11), no Centro de Treinamento de Agricultores de Erechim (Cetre) para os extensionistas da região de abrangência do Escritório Regional de Erechim. Também participaram extensionistas dos escritórios regionais de Passo Fundo e de Frederico Westphalen. A capacitação foi aberta pelo gerente regional adjunto, Marcos Gobbo, e pelo assistente técnico regional em Produção Vegetal, Luiz Angelo Poletto, que conduziu os trabalhos. Foram repassadas orientações sobre plantio direto de hortaliças, plasticultura e irrigação.

O objetivo com a capacitação dos técnicos é aumentar a área de cultivo com hortaliças na região do Alto Uruguai, bem como introduzir outros cultivos. A região conta com uma área de cultivo de 596,40 hectares de hortaliças, com 1.274 produtores envolvidos na atividade. A produção concentra em alface, repolho e aipim que abastece os mercados locais e feiras. “A região do Alto Uruguai tem a menor área cultivada com olericolas do Estado. Queremos aumentar esta produção com tomate, couve-flor, cebola, batata, pimentão e aipim”, explica Poletto.

As palestras técnicas foram ministradas pelo engenheiro agrônomo e pesquisador Leandro do Prado Wildner, do Centro de Pesquisa para Agricultura Familiar (Epagri/Cepaf) e o extensionista da Epagri do município Guatambu/SC, Dirceu Ferri Junior, também da Epagri. Leandro e Dirceu explicaram os trabalhos na extensão rural e na pesquisa com o Sistema de Plantio Direto de Hortaliças (SPDH), realizados pela Epagri, em Santa Catarina, bem como contextualizaram a produção de olerícolas.

Segundo eles, os objetivos do SPDH é diminuir gradativamente até eliminar o uso de agrotóxicos e adubos altamente solúveis, diminuir a dependência de insumos e custos de produção e manter e aumentar a produtividade dos cultivos. Segundo Dirceu, o objetivo de levar o SPDH às propriedades é o desenvolvimento sustentável (econômico, social e ambiente) na produção de hortaliças no Oeste Catarinense, baseado em tecnologias limpas e mais qualificada para atender as exigências de mercado.

De acordo com Leandro, para iniciar o sistema devem ser adotadas um conjunto de ações integradas como amostra do solo, correção do Ph e nutrientes (se necessário), descompactação do solo, implantação de plantas de cobertura, escolha da área para implantação, entre outras. Ele destacou os benefícios das plantas de cobertura para o solo. “O solo é à base de sustentação dos sistemas de produção agropecuário”, disse ao enumerar as principais funções do solo.

A capacitação teve prosseguimento na parte da tarde com as palestras de Giovani Reuter, da empresa Rivulis, que falou sobre irrigação, com foco no rendimento, eficiência, com tecnologia aplicada nos equipamentos para sistema de irrigação por gotejamento, e de Leandro Carvalho, da empresa Ginegar Polysack, abordando, os benefícios do cultivo protegido que proporcionará maior rentabilidade. Carvalho também explicou as características dos produtos e suas tecnologias como o filme para cobertura de estufa com cinco camadas, composição de aditivos que bloqueiam a radiação, antipoeira, antivírus, difusão da luz para todas as culturas.

 

Fotos: Terezinha Mariza Vilk/Emater/RS-Ascar

Você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.