Mestrados da UFFS já formaram mais de 130 mestres

Conheça os cursos e as dicas dos coordenadores para quem deseja tentar os processos seletivos

Desde que criou seu primeiro mestrado, em 2013, a Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Erechim já diplomou mais de 130 mestres. São pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento, oriundos não apenas do Alto Uruguai gaúcho mas também de diversas outras cidades do Brasil, que buscam pós-graduação stricto sensu gratuita e de qualidade. Mais do que formar pessoal qualificado, os mestrados da UFFS representam também o desenvolvimento de pesquisas científicas com vistas para a realidade local, nacional e internacional, gerando conhecimento em diferentes aspectos.

Atualmente o Campus oferta quatro Programas de Pós-Graduação stricto sensu. São eles: Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental, Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas, Mestrado Profissional em Educação e, mais recentemente, o Mestrado em Geografia (este último ofertado em parceria com o Campus Chapecó).

Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental

O Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental foi o primeiro a ser criado e já conta com 64 titulados. Para o coordenador do curso, professor Paulo Hartmann, o número indica que o Programa está atingindo as finalidades da sua implementação. “Nosso objetivo é formar profissionais capazes de entender o efeito das atividades humanas nos diversos ambientes e contribuir no estabelecimento de estratégias, métodos e tecnologias que visem à sustentabilidade dos sistemas produtivos, aliada à manutenção das funções sistêmicas dos ambientes naturais”, destaca o professor.

Hartmann explica que o curso tem abordagem multidisciplinar e atende profissionais de diferentes formações, desde que tenham interesse em pesquisar sobre temáticas relacionadas à produção sustentável e conservação da natureza. “Os nossos egressos estão inseridos em diferentes setores e atuam em empresas, universidades e órgãos públicos; outros são profissionais liberais e do setor agrícola. Muitos também seguiram para o doutorado”, conta.

Os projetos desenvolvidos no curso abordam temas como produção de biocombustíveis (biodiesel, biogás, etanol de segunda geração), desenvolvimento de bioherbicidas, estratégias para o desenvolvimento rural sustentável, manejo sustentável em agroecossistemas, eficiência em tratamento de efluentes, avaliação de impactos ambientais e desenvolvimento de ferramentas computacionais para a solução de problemas ambientais, dentre outros.

“O foco é produzir conhecimentos que permitam entender os impactos destas atividades, aumentar a eficiência no uso dos recursos e recuperar, reduzir, mitigar ou compensar os impactos ambientais. O retorno pode se manifestar de forma econômica, com desenvolvimento de sistemas mais eficientes, ou na qualidade de vida das pessoas, como ações de redução de impactos ambientais”, diz Hartmann. Assim como os demais mestrados da UFFS, diversas pesquisas desenvolvidas são publicadas em revistas nacionais e internacionais, de alto impacto na comunidade científica.

Entre os dias 23 e 25 de outubro, o mestrado promoverá, dentro da Semana do Diversa, o VI Simpósio em Ciência e Tecnologia Ambiental e o II Encontro Multidisciplinar em Ciências Ambientais da Fronteira Sul, uma oportunidade para quem quiser conhecer melhor as pesquisas desenvolvidas em sua temática.

Mestrado Profissional em Educação

Outro Programa de Pós-Graduação da UFFS é o Mestrado Profissional em Educação, voltado para egressos de cursos de Licenciatura. Criado em 2015, já formou 38 mestres.

Conforme o professor Thiago Ingrassia Pereira, coordenador do curso, um dos diferenciais dos mestrados profissionais é a construção de pesquisa aplicada. Ou seja: a investigação científica é produzida em consonância com os desafios que surgem da prática profissional dos mestrandos. “Em cada dissertação temos a construção de um ‘produto’, que significa uma pesquisa tipo intervenção ou um diagnóstico de uma realidade educacional”, destaca Thiago. “As pesquisas desenvolvidas dialogam com a melhoria de processos pedagógicos nas escolas públicas e privadas da nossa região, como também da Rede Federal e Educação Superior.”

A maioria dos acadêmicos atua em instituições educacionais da região de abrangência da UFFS. Neste ano a equipe do curso lançou um livro com o recorte metodológico das primeiras pesquisas concluídas. “Como exemplo de benefício das pesquisas para a nossa região, temos duas dissertações que produziram um diagnóstico sobre o problema da evasão na Educação Superior no IFRS e na UFFS, nos campi de Erechim. Qualificar a educação ofertada nas instituições de nossa região é um compromisso essencial do Programa”, conta Thiago.

Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Tal compromisso de formação se nota também no Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas. A particularidade deste curso está explícita conforme o nome que leva, agregando pesquisadores que necessitam, para o desenvolvimento de seus trabalhos, de uma articulação entre diversas temáticas e teorias dentro das Ciências Humanas. Já passaram pelo curso profissionais de áreas como Jornalismo, Direito, História, Filosofia, entre outras.

“É um curso que abrange pesquisas interdisciplinares, com foco em diferentes áreas do conhecimento. Isto significa que a formação e a pesquisa são de ordem interdisciplinar, rompendo com a visão disciplinar e configurando-se em investigações com alto potencial para a compreensão da realidade em suas diversidades”, explica a professora Adriana Loss, atual coordenadora.

A partir dos mais de 30 diplomados que o curso já formou, o Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas, criado em 2015, está em constante processo de ampliação. “O benefício da pesquisa que desenvolvemos está na formação de qualidade de profissionais de diferentes áreas que atuam em diferentes espaços da sociedade, para além da formação de carreira universitária”, fala Adriana.

Quem quiser se inteirar sobre o âmbito do curso pode conhecer a revista Gavagai, periódico científico do mestrado que agrega pesquisas dentro do contexto das humanidades. Outra opção é participar do IV Seminário Interdisciplinar em Ciências Humanas: A prática interdisciplinar e seus desafios, nos dias 24 de 25 de outubro, durante a Semana do Diversa.

Mestrado em Geografia

O Mestrado em Geografia teve sua primeira turma iniciando neste ano de 2019. Ele ocorre em parceria com o Campus Chapecó, com atividades intercampi. O curso parte do desenvolvimento de análises a respeito das dinâmicas espaciais que configuraram o atual espaço regional, marcado por desigualdades e heterogeneidades socioculturais, político-econômicas e ambientais. Segundo o professor Pedro Murara, docente do Campus Erechim e coordenador adjunto do curso, o Mestrado em Geografia é pautado na perspectiva de desenvolver propostas e fornecer elementos para orientar ações do poder público, da sociedade civil organizada ou mesmo da iniciativa privada, com vistas à diminuição das desigualdades socioespaciais e à promoção do desenvolvimento das potencialidades e especificidades regionais.

As pesquisas desenvolvidas estão em diálogo com a comunidade regional a partir de cinco frentes: na formação e qualificação de docentes, tanto da Educação Básica quando da Educação Superior; por meio das diferentes representações do espaço rural e urbano presentes e atuantes na área de abrangência do Programa (o que inclui os movimentos sociais, sindicatos, cooperativas, etc); foco nos movimentos por moradia; pelas instituições e órgãos públicos (como Incra, Emater, etc); e pelas empresas privadas, como, por exemplos, escritórios de topografia e empresas que prestam assessorias técnicas nas áreas de planejamento ambiental e urbano.

Dicas para quem pensa em tentar os processos seletivos

O ingresso nos mestrados da UFFS ocorre a partir de processos seletivos iniciados com a publicação de editais de cada um dos cursos. Na página dos cursos é possível verificar o mês em que o último edital foi publicado. Outra opção é entrar em contato com a Secretaria da Pós-Graduação do Campus Erechim, pelo telefone (54) 3321-7099 e [email protected].

O professor Paulo Hartmann lembra que é importante verificar, na página de cada curso, as linhas de pesquisa do mestrado. “Temos um conjunto de orientadores que desenvolvem pesquisa nos temas citados acima, mas também outros. Consultar o currículo dos docentes e agendar uma conversa com um possível orientador é recomendável para saber se o candidato está direcionando corretamente seus esforços. Outra dica importante é não ter medo de tentar. As ideias de projetos e soluções ambientais vêm das mais variadas áreas do conhecimento”, diz.

O coordenado do Mestrado Profissional em Educação lembra também que, além dos processos seletivos para ingresso como aluno regular do curso, é possível entrar como aluno especial em disciplinas isoladas. “É uma excelente oportunidade para que o candidato se aproxime da dinâmica do mestrado. Inclusive, em uma posterior entrada regular, o estudante pode aproveitar os créditos cursados”, lembra Thiago.

“O Mestrado Profissional em Educação é voltado à formação continuada de docentes. Por isso, o perfil acadêmico que buscamos aponta para quem possui formação em curso de Licenciatura. É muito importante pesquisar sobre o curso, entender as linhas de pesquisa e se inteirar do perfil do corpo docente que orienta as pesquisas. Por fim, uma leitura atenta do edital de seleção, o fichamento das referências indicadas para a prova teórica e a construção de um pré-projeto de pesquisa com aderência à proposta do curso são aspectos relevantes e decisivos para a conquista de uma vaga”, finaliza o professor.

Comentários estão fechados.