“Reunião ou diálogo com o Executivo só se for por telepatia”, assegura Claudemir Araújo

Na manhã desta quarta-feira (17) o vereador e candidato a Deputado Estadual, Claudemir Araújo (PTB), concedeu entrevista à Rádio Cultura. Na oportunidade questionou o Executivo, falou sobre seu desejo por uma vaga na majoritária na próxima eleição municipal e ainda, agradeceu os votos nele depositados enquanto deputado.

“As coisas na cidade não estão acontecendo, falo isso não porque sou contra, mas para alertar o governo. Enquanto as pessoas nas secretarias pensarem só no próprio umbigo, nada funcionará. É uma crítica construtiva, mas é preciso levantar a bunda da cadeira e não esperar que algo caia do céu, do céu só cai chuva e de vez em quando pedra. Quando estava em campanha, escutei muitas vezes: vieram aqui pedir voto só agora? A comunidade tem razão, pois os bueiros continuam entupidos, as ruas esburacadas, e os pedidos dos vereadores parados. A equipe de trabalho da secretaria de Obras é boa, mas não tem ninguém com pulso firme para dizer quais as demandas do dia, não há conversa, diálogo, os funcionários não sabem para onde ir. Não temos comunicação, reunião com o Executivo só se for por telepatia”, disse Araújo.

Ainda comentou ser um vereador independente, ajudou na campanha de Schmidt por acreditar que a cidade precisava de mudanças. “Nem sempre as mudanças são positivas, quando se ouve a população dizendo que tem saudade do prefeito Paulo Polis, se tem clareza que o negócio está pior agora. Por isso é preciso que os vereadores façam a sua parte, na próxima eleição será uma limpa na Câmara de Vereadores, a população vai lembrar de cada um e ninguém ganhará voto na conversa. Já os secretários, ainda dá tempo de trocar, alguns tem mais cara de primeira dama do que secretário. Para falar com um secretário, o vereador tem que marcar horário, isso é uma vergonha. Se acham os poderosos, blindados, ninguém tem acesso, mas o vereador é a ponte direta com a comunidade.  Em contrapartida quando um secretário é bom e de destaca como o Jackson Arpini, na Saúde, querem patrolar, dar um jeito de apagar o brilho da pessoa”, destacou.

Já com relação a eleição municipal de 2020, Araújo que foi o vereador mais votado na última eleição e também fez 11.363 (em Erechim – 8.648) enquanto candidato a Deputado Estadual, deixou claro não irá mais concorrer a vereador, a busca será pela majoritária. “Agradeço cada voto, confiança, isso me fortalece e me faz querer trabalhar cada vez mais pela comunidade. Eu já contribui como vereador,  estou tentando fazer o melhor, mas para vereador eu não concorro mais, só se for para a majoritária. A sigla é um mal necessário e se eu não puder concorrer pelo PTB, vou para outro partido. Há pessoas boas na Câmara de Vereadores que pensam como eu para uma boa dobradinha”, finalizou.

Por Carla Emanuele

 

 

 

 

Comentários estão fechados.