Consepro: peça fundamental da segurança pública em Erechim

 

Atualmente é impossível falar sobre o bom trabalho dos órgãos de segurança pública de Erechim, sem citar o Consepro (Conselho Comunitário Pró-segurança Pública). Fundada em 1988 e mantendo como presidente, em boa parte desse tempo, Miguel Gotler, a entidade vem ganhando cada vez mais destaque na capacidade de buscar parcerias e gerar recursos para equipar e aparelhar as forças policiais no município, principalmente diante do aparente abandono do setor pelos governos estadual e federal.

Atendendo Polícia Civil, Brigada Militar, Polícia Rodoviária Estadual, Patram, Susepe, Posto de Identificação e Polícia Rodoviária Federal, ao longo dos anos o Consepro já financiou reformas em delegacias, adquiriu móveis, forneceu armamentos, desde pistolas até fuzis, munição, utensílios, equipamentos de informática, equipamentos de videomonitoramento e até viaturas, como recentemente, uma caminhonete Hilux, nova e totalmente equipada para a Patram, que necessitava de um veículo capaz de alcançar locais de difícil acesso.

 

Parcerias

O Procon não alcançaria tantos resultados, não fosse a incansável capacidade de seus membros, todos voluntários, em buscar parcerias de curto, médio e longo prazo e como grandes parceiros, o presidente da entidade cita: Sicredi, Consórcio Itá, prefeitura (todas as administrações), Ministério Público, Poder Judiciário e diversas empresas da cidade, algumas que preferem permanecer anônimas.

E como principal argumento para a realização destas parcerias, Miguel Gotler cita o “retorno fantástico” dado pelos órgãos de segurança em prisões, elucidação de crimes, prevenção, entre outros.

Para facilitar a distribuição dos recursos e focar nas necessidades mais urgentes que podem ser alcançadas, o Consepro mantém uma conta bancária individual para cada órgão.

 

Importância

Para se ter uma ideia sobre a importância do Consepro Em Erechim, basta citar que o Posto de Identificação no município é mantido, desde 1995, pela entidade e pelas taxas pagas pelos usuários, inclusive o pagamento dos salários dos funcionários e encargos legais. E neste caso, vale ressaltar que além de Erechim, o Posto de Identificação atende ainda outros 39 municípios, entre eles todos da região Alto Uruguai, e mesmo assim, nenhuma das administrações destas cidades colabora para mantê-lo. A situação e pedido de apoio foram apresentados inclusive em reuniões da Amau, mas até o momento, não surgiram interessados em ajudar.

O Posto contava até pouco tempo com três funcionários, mas diante da crise financeira que afeta o país, recentemente houve a necessidade de dispensar um.

 

Por Alan Dias

 

 

Comentários estão fechados.