Consepro: peça fundamental da segurança pública em Erechim

 

Atualmente é impossível falar sobre o bom trabalho dos órgãos de segurança pública de Erechim, sem citar o Consepro (Conselho Comunitário Pró-segurança Pública). Fundada em 1988 e mantendo como presidente, em boa parte desse tempo, Miguel Gotler, a entidade vem ganhando cada vez mais destaque na capacidade de buscar parcerias e gerar recursos para equipar e aparelhar as forças policiais no município, principalmente diante do aparente abandono do setor pelos governos estadual e federal.

Atendendo Polícia Civil, Brigada Militar, Polícia Rodoviária Estadual, Patram, Susepe, Posto de Identificação e Polícia Rodoviária Federal, ao longo dos anos o Consepro já financiou reformas em delegacias, adquiriu móveis, forneceu armamentos, desde pistolas até fuzis, munição, utensílios, equipamentos de informática, equipamentos de videomonitoramento e até viaturas, como recentemente, uma caminhonete Hilux, nova e totalmente equipada para a Patram, que necessitava de um veículo capaz de alcançar locais de difícil acesso.

 

Parcerias

O Procon não alcançaria tantos resultados, não fosse a incansável capacidade de seus membros, todos voluntários, em buscar parcerias de curto, médio e longo prazo e como grandes parceiros, o presidente da entidade cita: Sicredi, Consórcio Itá, prefeitura (todas as administrações), Ministério Público, Poder Judiciário e diversas empresas da cidade, algumas que preferem permanecer anônimas.

E como principal argumento para a realização destas parcerias, Miguel Gotler cita o “retorno fantástico” dado pelos órgãos de segurança em prisões, elucidação de crimes, prevenção, entre outros.

Para facilitar a distribuição dos recursos e focar nas necessidades mais urgentes que podem ser alcançadas, o Consepro mantém uma conta bancária individual para cada órgão.

 

Importância

Para se ter uma ideia sobre a importância do Consepro Em Erechim, basta citar que o Posto de Identificação no município é mantido, desde 1995, pela entidade e pelas taxas pagas pelos usuários, inclusive o pagamento dos salários dos funcionários e encargos legais. E neste caso, vale ressaltar que além de Erechim, o Posto de Identificação atende ainda outros 39 municípios, entre eles todos da região Alto Uruguai, e mesmo assim, nenhuma das administrações destas cidades colabora para mantê-lo. A situação e pedido de apoio foram apresentados inclusive em reuniões da Amau, mas até o momento, não surgiram interessados em ajudar.

O Posto contava até pouco tempo com três funcionários, mas diante da crise financeira que afeta o país, recentemente houve a necessidade de dispensar um.

 

Por Alan Dias

 

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais