Metalúrgicos elegem nova direção e Fábio Adamczuk é reeleito presidente do Sindicato

Eleição aconteceu nesta terça- feira (15), durante todo o dia

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Um total de 480 trabalhadores metalúrgicos votaram nas eleições que tiveram chapa única e que obteve 471 votos favoráveis.  A direção que assume em 2021 e vai conduzir o  Sindicato até 2024 é composta por trabalhadores da Triel, Intecnial, Comil, TCA, Esquadrias Atlântico, Cercena, Mepel, Randon Triel e Menno. Muitos já tem  histórico no Sindicato e outros concorreram pela primeira vez à direção.

Entre os posicionamentos que o grupo defende estão as questões de emprego e salário, a luta para que o trabalhador tenha mais programas de incentivo capazes de incrementar os ganhos e melhorar o seu padrão de vida, e valorização do associado e do trabalhador que contribui para o Sindicato.

Para Fábio Adamczuk, presidente eleito, o momento é de muitos desafios. “Apesar dos anos de lutas do movimento sindical terem garantido muitas conquistas, o momento é de perdas e exige novos posicionamentos diante da precarização dos direitos dos trabalhadores”, disse. Ele citou as reformas trabalhista e da  previdência que mudaram a relação entre patrão e empregado. “Ao mesmo tempo em que não existe mais a garantia de carteira assinada, o trabalhador terá que contribuir mais tempo para poder se aposentar. São realidades em que a conta não fecha, e o prejuízo é sempre do trabalhador”, destacou.

O desemprego e a informalidade também preocupam. O desemprego atingiu em novembro, o maior índice dos últimos 8 anos. Em 1 ano, Brasil perdeu 11,3 milhões de postos de trabalho e, desde maio, menos da metade da população em idade para trabalhar está ocupada no país. Sandra Weishaupt, eleita tesoureira do Sindicato, diz que 38,4% das pessoas que trabalham estão na informalidade. “São mais de 31 milhões de brasileiros sem nenhum direito, sem previdência, salário mensal e  que não tem a cobertura sindical”. O vice- presidente, Jairo do Amaral,  trazendo a informação para a realidade local, pondera que “ na região muitas empresas estão contratando, mas a valorização não vem na mesma medida, os trabalhadores que ficaram sem aumento na pandemia, receberão apenas um abono que não é incorporado aos salários e a reposição salarial só virá no ano que vem”.

Get real time updates directly on you device, subscribe now.