Alunos de Agronomia da UFFS realizam viagem técnica

Grupo visitou Curitiba, Holambra e Campinas para conhecer mais sobre produção de flores e plantas ornamentais, atividade do agronegócio tanto dos centros urbanos como do meio rural

Com o objetivo de solidificar os conhecimentos adquiridos nas disciplinas de Floricultura e Paisagismo e Agronegócio, acadêmicos da 6ª fase do curso de Agronomia da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Erechim realizaram, entre os dias 26 a 28 de novembro, uma viagem técnica para Curitiba (PR), Holambra e Campinas (SP). Os alunos foram acompanhados pelos professores Hugo Piazzetta e Nerandi Camerini, além da servidora Fabiola Andretta.

Primeiro, em Curitiba, a equipe da UFFS visitou a Praça do Japão, que tem uma área arborizada de 14 mil metros quadrados, planejada em estilo japonês. No espaço é possível encontrar diversos artefatos que remetem à cultura oriental. Depois o grupo seguiu para o Jardim Botânico, um dos principais pontos turísticos da capital paranaense. Entre os atrativos do lugar estão um bosque de preservação de mata atlântica e também uma estufa de vidro, onde são cultivadas espécies de plantas tropicais do Brasil e de outros países. Os acadêmicos conheceram também o Jardim das Sensações, um espaço onde os visitantes conseguem perceber as diferentes sensações propiciadas pela natureza.

Ainda em Curitiba foi visitado o parque Tanguá, que possui 235 mil metros quadrados. Ele apresenta elementos de jardim inglês com áreas amplas de gramado, com visibilidade limitada por bosques com plantas da mata das araucárias. A última visita em Curitiba foi na Universidade Livre do Meio Ambiente (Unilivre), que é um espaço destinado a atividades de educação ambiental, pesquisas e acompanhamento de projetos.

De acordo com o professor Hugo Piazzetta, Curitiba é uma das cidades que são referência em paisagismo. “Por toda a cidade percebem-se os cuidados que a administração municipal tem em relação ao urbanismo e ao paisagismo”, conta Hugo. “Entendemos que conhecer estes espaços pode ampliar os conhecimentos dos alunos e desenvolver neles a ideia de organização que o paisagismo proporciona. O paisagismo é atribuição profissional do engenheiro agrônomo e corresponde a uma atuação possível tanto nos centros urbanos como também no meio rural, uma vez que cada vez mais se busca o paisagismo rural para ornamentar e agregar valor às propriedades rurais”, destaca o professor.

A segunda parte da viagem técnica foi direcionada à temática da produção e comercialização de flores e plantas ornamentais. Em Holambra (SP), a equipe visitou a Cooperativa Veiling – maior centro de distribuição atacadista de flores e plantas ornamentais do Brasil. Lá é utilizado um modelo de leilão semelhante ao que é realizado na Holanda para comercialização da produção dos cooperados, sejam flores cortadas, envasadas ou plantas ornamentais.

Na mesma cidade os acadêmicos visitaram a empresa Ecoflora, principal produtora de orquídeas e uma das principais produtoras de bromélias do Brasil. Durante a vista, foi possível acompanhar todos os estágios da produção da orquídea Phalenopsis, desde a plantação das mudas originárias da Europa e da Ásia até a embalagem antes da comercialização, ciclo que dura aproximadamente 1 ano e 7 meses. A unidade em que foi realizada a visita possui aproximadamente 6,5 hectares de estufas climatizadas, que produzem anualmente mais de 2 milhões de plantas que são comercializadas para todo o Brasil por intermédio da cooperativa Veiling.

Para finalizar a viagem técnica, os acadêmicos visitaram, em Campinas-SP, o Mercado de Flores, anexo ao Ceasa. Neste espaço é realizado o comércio de flores cortadas ou envasadas, plantas ornamentais e acessórios para paisagismo e decoração. Diferente da cooperativa Veiling, no Mercado de Flores os produtos são comercializados em boxes, no atacado ou no varejo, e a negociação ocorre diretamente entre o vendedor e o comprador.

Esta viagem técnica foi realizada para encerrar o semestre letivo e também a disciplina de Floricultura e Paisagismo, uma vez que dentre os objetivos da disciplina está desenvolver os conhecimentos da produção e comercialização de flores plantas ornamentais. “Tentamos motivar nossos alunos a buscar outras possibilidades da produção agrícola, diferentes da soja e do milho. A produção de flores e plantas ornamentais é uma atividade do agronegócio que se ajusta muito bem à agricultura familiar, característica da nossa região, pois permite elevados rendimentos em áreas reduzidas. Isso favorece a geração de emprego e manutenção do homem no campo”, finaliza Hugo.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais