Comissão em Defesa da Educação Pública e de Qualidade pauta ações em prol da educação

Em reunião ocorrida no Plenário da Casa, no último dia 13, a Comissão em Defesa da Educação Pública e de Qualidade, que tem na presidência o vereador Lucas Farina, pautou as situações positivas e negativas que ocorrem em cada espaço.

Na oportunidade, a presença de Sandra Picoli, Eni Scandolara, Alessandro Dalzotto, Ilgue Rossetto, Claudemir de Araújo, Alderi Oldra, Serginho Bento, Rafael Ayub, André Jukoski, Flavio Barcellos e Gilson Serafim. Entre os representantes de entidades educacionais públicas e privadas, Saionara Salomoni, Roberto Fontaneli e Silvia Bordim representantes da UERGS; Anderson Ribeiro representando a UFFS; Adriana Storti e Marlova Balke representando o IFRS; Marilene Pizarro e Monoela Smaniotto representando SMED Erechim. O Vereador Gilson representou a URI Erechim.

Em sua manifestação, Lucas acolheu a todos que se apresentaram e em seguida explicou que tal atividade foi decidida em reunião da Comissão a fim de ouvir as demandas das instituições de ensino. Em seguida cada representante fez uso da palavra, relatando as situações positivas e negativas que ocorrem em cada espaço, momento em que todos queixaram-se sobre os cortes no orçamento que vem acontecendo nos últimos anos.

A URI, sendo instituição comunitária, sofre dificuldades por uma série de questões que vão desde a diminuição e atrasos com os pagamentos do FIES, concorrência com as faculdades à distância e perda de bolsas causada pela situação econômica das empresas. A UERGS, segundo Saionara, já nasceu com cortes, foi criada, mas nunca foi implementada por nenhum governo.

“Não possui sede e sofre evasão de alunos pela dificuldade de aprendizagem. São atendidos de 200 a 300 alunos com apenas 09 professores. A situação piorou com o atual governo que vem reduzindo anualmente o orçamento, porém o laboratório passou por melhorias com recursos do PNAES e a professora propôs parceria com as outras entidades. A situação do IFRS e da UFFS se assemelham, ambas diminuíram serviços

terceirizados, sofrem com a redução de investimentos em pesquisa, possuem profissionais de excelência mas esbarram no recurso que tem sido menor enquanto as atividades, cursos, pesquisa e extensão foram ampliados”.

A assistência estudantil também sofreu cortes, o que inviabiliza a permanência dos estudantes das famílias de menor poder aquisitivo. Faltam equipamentos aos laboratórios e os estudantes de fora tem dificuldade de encontrar moradia e emprego na cidade, sendo necessária uma moradia estudantil.

O IFRS frisa a importância de um acesso coberto de um bloco a outro e a Professora Adriana destacou pontos positivos apesar das dificuldades, por exemplo, a interação com a universidade Argentina e projetos que vem sendo desenvolvidos em parceria com outras entidades e manifestou a importância de levar o Instituto aos bairros.

O diretor Anderson, da UFFS, parabenizou a iniciativa pluripartidária e destacou a importância da expansão do ensino público e aproximação da universidade com os municípios do interior. Disse que não há previsão de recursos para capital e aquisição de equipamentos e apenas manutenção.

Na sequência, a representante da secretaria municipal de educação fala da preocupação com aprendizagem dos alunos de ensino fundamental, destacou que serão realizadas visitas as instituições públicas de ensino técnico e superior e que o governo tem atrasado os repasses de recursos para merenda escolar e que o município vem bancando com recursos próprios.

O vereador André lamentou a falta de valorização dos professores e sugeriu a criação de uma cartilha de divulgação das instituições de ensino, assunto que será tratado na próxima reunião da Comissão onde serão pensadas ações a partir dos problemas relatados. Sem mais, o vereador Lucas agradeceu a presença de todos e finalizou a reunião registrada nesta.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais