Análise das águas do Rio Paulo atesta que não houve dano ambiental, apesar da coloração alterada

 

O Secretário Municipal de Meio Ambiente, Daniel Fernandez, anunciou, no final da manhã de sexta-feira, 13 de junho, em entrevista coletiva aos veículos de comunicação de Getúlio Vargas, que a análise das águas do Rio Paulo atesta que não houve dano ambiental, apesar da coloração alterada. Segundo ele, a amostragem foi realizada próxima às margens da RS 135, Km 47, próximo a uma ponte onde foi constatada a alteração da coloração da água, que apresentava-se avermelhada. A coleta foi realizada no dia 23 de junho e encaminhada para a empresa Ambios Laboratório Ambiental Ltda., cadastrada na Fepam e localizada em Erechim. Ele estava acompanhado pela engenheira ambiental Franciele Cristina Miachailoff e pela equipe de fiscalização e licenciamento ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Os parâmetros analisados foram turbidez, pH, cor, cádmio, chumbo, cobre, cromo total, ferro, manganês, nitrato, nitrito e zinco e, conforme o Relatório de Análises 7380/2018, os valores alcançados estão bem abaixo dos limites estabelecidos pela legislação vigente.

Conforme explicou Daniel, a resolução Conama 357/05 dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluente. De acorod com o Comitê da Bacia Hidrográfica Apuaê-Inhandava, o município de Getúlio Vargas está localizado inteiramente na sub-bacia Apuaê, que enquadra os rios do município na Classe I de águas superficiais doces.

Comparando os resultados obtidos com a legislação vigente, pode-se observar que a maioria dos parâmetros analisados está abaixo dos limites estabelecidos. Com exceção da cor que está elevada, não sendo necessariamente um indicador de contaminação, tendo em vista que não houve elevação nos valores de metais pesados. Foram observadas apenas alterações atópicas, contudo, nenhum prejuízo ambiente foi causado na água onde os parâmetros analisados estão dentro dos limites e não houve mortalidade de peixes. “Somente o impacto visual causou desconforto pela coloração avermelhada do Rio Paulo no dia da amostragem”, esclareceu Daniel.

NÃO HOUVE CONTAMINAÇÃO

De acordo com a engenheira ambiental, Franciele Cristina Miachailoff, provavelmente se trata de corante hidrossolúvel e atóxico, pois o despejo se dissipou em curto prazo no curso d´água e não causou toxidade no meio. “Descartamos a possibilidade de despejo de tinta de pintura automotiva ou de pintura de casas, pois ocorreriam alterações  nos valores de metais e causaria toxidade ao meio. Descartamos também efluente de indústria têxtil, pois os  metais pesados teriam seus valores elevados, como por exemplo, cromo, cobre, mercúrio, zinco, entre outros”, explicou. Ela ainda complementou que está descartada, também, o efluente de reciclagem, uma vez que no entorno do Rio Paulo existem duas empresas recicladoras de plástico, pois o efluente bruto no processo de reciclagem de plástico apresenta turbidez, o que não ocorreu, conforme análise.

Ao concluir, Daniel Fernandez afirmou que a coloração do Rio Paulo já estava normalizada em vistoria realizada pela Secretaria de Meio Ambiente, juntamente com a Patram de Erechim, na segunda-feira, dia 25 de junho. Como forma de medidas de prevenção e controle, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente irá continuar monitorando a qualidade da água do Rio Paulo no município de Getúlio Vargas, a fim de evitar novas alterações no local e contaminações ambientais.

Resultado das análises físico-químicas:

ParâmetrosResultadoUnidadeLimite Legislação
Turbidez3,33NTU100
pH7,516  a 9
Cor116uH75
CádmioNDmg/L0,001
ChumboNDmg/L0,01
Cobre0,01mg/L0,009
Cromo TotalNDmg/L0,05
Ferro0,23mg/L0,3
Manganês0,077mg/L0,1
Nitrato0,3mg/L10,0
Nitrito0,158mg/L1,0
Zinco0,05mg/L0,18

 

 

Comentários estão fechados.