Corredor de desenvolvimento na ERS 135 tornou-se um pesadelo para os empresários

Investir às margens da ERS 135 que liga Erechim a Getúlio Vargas, era uma maneira de viabilizar a instalação das indústrias, contudo se tornou um pesadelo. Por se tratar de um corredor de desenvolvimento, havia o entendimento que o município poderia conceder a maioria das licenças. Como é perímetro rural, tem muita burocracia e  são necessárias aprovações junto aos órgãos estaduais. 

Três  grandes projetos estão esperando a boa vontade de diversos órgãos para instalar suas indústrias. Os empresários aguardam a liberação do licenciamento por parte da Fepam, depois é preciso aprovar junto a Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), o Ibama para retirada de vegetação, a prefeitura tem que aprovar o projeto, a RGE  o fornecimento de energia elétrica e depois, volta para a Fepam dar autorização de operação.

Enquanto isso,  milhares de pessoas seguem desempregadas por conta da burocracia de vários órgãos públicos estaduais. Não estaria na hora de ampliar o perímetro urbano às margens da ERS 135, para agilizar as instalação dessas indústrias, já que o licenciamento passaria pelo município?

Por Egídio Lazzarotto/Foto: Everton Sirena/Especial Jornal Boa Vista

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais