“Não importa se é bilionário ou sem-teto, não há leito de UTI em Chapecó e no oeste catarinense”, diz prefeito da cidade

Segundo João Rodrigues, município de Santa Catarina vive em situação de colapso no sistema de saúde

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

O prefeito de Chapecó João Rodrigues (PSD) foi enfático ao alertar, nesta terça-feira (16) de Carnaval, sobre a situação do sistema de saúde do município catarinense diante da pandemia de covid-19. Nos últimos dias, os atendimentos no município passaram de 250, em média, para mais de 700, nos dois ambulatórios de campanha e UPA 24h.

— Lamentavelmente, estamos em colapso. (…) Temos hospitais lotados, pacientes entubados em UPA. Não há espaço para nada. Estamos numa operação de guerra para aumentar leitos de UTI. É uma missão quase impossível — afirmou, em entrevista ao Gaúcha Atualidade

— Não importa se tu é bilionário ou sem-teto, não tem leitos de UTI em Chapecó e no oeste catarinense — completou.

No último domingo (14), dos 53 testes realizados no município, 73% deram positivo para a covid-19.  Segundo boletim do governo do Estado da última segunda-feira (15), Chapecó tem 18.452 casos confirmados da doença, com 159 óbitos.

Diante do aumento de casos, o governador Carlos Moisés determinou a instalação de um gabinete de crise em Chapecó para tratar das ações de enfrentamento à doença. O prefeito do município afirmou que conversou com o presidente
Jair Bolsonaro e informou que a principal necessidade no município na área da saúde é mão de obra. 

— Estamos contratando técnicos e enfermeiros intensivistas. Quanto mais leitos abre, mais precisamos de profissionais. Ele determinou o Ministério da Saúde para acompanhar. Me parece que hoje à tarde chegam 10 respiradores e a intenção é abrirmos 28 leitos até sexta-feira. Mas vamos ter que montar mais uma estrutura.

Preocupação com nova variante  e alerta

 Na última quinta-feira (11), o governo de Santa Catarina confirmou o primeiro caso de paciente de covid-19 infectado pela nova linhagem da doença descoberta em Manaus (AM)e conhecida como P.1. Essa cepa é associada a uma maior capacidade de infecção e ao surto que voltou a superlotar hospitais no Amazonas. No Rio Grande do Sul, o primeiro caso dessa variante foi registrado em Gramado, em um paciente idoso que morreu.

Preocupado diante do risco de proliferação do vírus, o prefeito de Chapecó alertou para aglomerações registradas no Carnaval e mandou um recado aos gaúchos:

 — Eu fico vendo os vídeos e imagens aqui do litoral de SC, não é diferente (do litoral gaúcho). Esse pessoal está indo lá, faz uma festa danada. Mal sabem eles que, quando retornarem, vão estar contaminados. Daqui a 15 dias vão ver resultado em Porto Alegre. O efeito é daqui a 10 dias. O importante é que a rede pública se prepare.

 

Fonte: GaúchaZH 

Get real time updates directly on you device, subscribe now.