Padre Zucco é velado e sepultado em Erval Grande

Depois de ter sido velado na igreja N. Sra. do Monte Claro, com missa às 08h30 desta quinta-feira, 15, o corpo do Pe. Gabriel Zucco foi levado para a igreja N. Sra. da Glória de Erval Grande, para onde a família havia se transferido de Chapadão, Paulo Bento, em 1960, quando ele tinha 5 anos. Depois de momentos de oração, animados por equipes locais, sob a coordenação do Pároco, Pe. Moacir Noskoski, às 15h30, Dom José iniciou a missa de corpo presente, concelebrada por Dom Girônimo e 20 padres, com a participação de 5 diáconos, os 4 irmãos e familiares do Pe. Gabriel e membros das comunidades da Paróquia e de outras na quais ele foi Pároco ou Vigário Paroquial.

Na homilia, Dom José recordou que daquela localidade, o jovem Gabriel partiu para o Seminário, respondendo ao chamado de Deus. Voltava frequentemente para o aconchego do lar, o abraço da mãe, do pai e o convívio com os irmãos. Ontem, ele partiu para o abraço eterno de Deus Pai, depois de 33 anos de ministério presbiteral, no qual ajudou muitas pessoas, não só pela pregação da palavra e a celebração dos sacramentos, mas também pela caridade misericordiosa com os que precisavam de conforto na dor e no sofrimento. Acolheu os aflitos, sabendo consolar. Foi sacerdote, irmão, guia e amigo na dor e na alegria junto ao povo. Seguindo o Mestre, que convida a carregar a cruz de cada dia, foi solidário com os irmãos e irmãs na tristeza e na alegria, defendendo a vida, apontando o caminho da Ressurreição. O Senhor que ele e nós anunciamos é o Senhor da vida que acompanha cada passo dos seus filhos e filhas. Ele caminha conosco como caminhou com seu povo da terra da escravidão para a da liberdade, garantindo-lhe a água da rocha e o pão do céu. Ressaltou que Pe. Gabriel deixa seu testemunho do bem realizado que fica no coração de todos e que ele apresentará diante de Deus. Recordou que todos somos peregrinos por este mundo, sem saber a duração da própria vida. Observou que na véspera, no início da quaresma, caminhada de preparação para a Páscoa, Pe. Gabriel celebrou a Páscoa eterna. Antecipou a celebração pascal. O Bispo frisou que a família presbiteral da Diocese agradece a Deus por ele ter colocado sua vida a serviço dos irmãos e irmãs. Desejou que N. Sra. da Glória, de quem foi muito devoto, o acolha junto de seu Filho para participar da glória eterna junto do Pai.

Antes da última encomendação, Pe. Moacir manifestou sua solidariedade e a da paróquia aos familiares do Pe. Gabriel. Agradeceu a presença dos padres, diáconos, dos paroquianos e dos membros das diversas comunidades onde ele exerceu o ministério presbiteral. Convidou para a missa de sétimo dia, às 19h30 do dia 21.

Pe. Cleocir Bonetti, Vigário Geral da Diocese, falou pela Pastoral Presbiteral. Recordou que na véspera, quarta-feira de cinzas, a Igreja lembrava que somos pó e ao pó retornamos. Voltamos à terra, mas não ficamos nela, ressuscitaremos para a Páscoa eterna, que o Pe. Gabriel celebrou ontem. Citou Santo Agostinho que exalta a grandeza do sacerdote, observando que Deus considera dignos de confiança seres humanos frágeis e lhes concede o ministério ordenado. Recordou que, em 2009, em Paulo Bento, fez a homilia no jubileu de prata do Pe. Gabriel. Nela citou depoimentos de coirmãos a respeito dele. Um dizia que aprendera muito com ele e que se precisasse de algo emprestado pediria ao Pe. Gabriel porque se sentiria feliz em ajudar. E este era o Pe. Claudino Talaska, a quem agradeceu muito pelo testemunho edificante de solicitude com o Pe. Zucco na enfermidade que marcará a todos para sempre. Expressou gratidão também a Dom José, aos familiares do Pe. Gabriel, à sua servidora, Maria, muito próxima dele nesses dias, ao Pe. Moacir, ao povo de Áurea, a todos os que estiveram em comunhão na oração. Concluiu dizendo que o corpo do Pe. Gabriel seria plantado em Erval Grande, terra que gerou padres, na esperança da ressurreição e no desejo de que Deus conceda mais vocações sacerdotais para a Diocese.

Dom José lembrou os 20 dias de silêncio do Pe. Gabriel, que provocaram questionamentos e tornaram a família presbiteral mais unida. Expressou agradecimentos ao Pe. Claudino Talaska, filho de Erval Grande, ajudando o irmão no ministério, também filho daquela paroquia; ao Pe. Bonetti, às pessoas que doaram sangue ao Pe. Gabriel; ao Pe. Moacir que motivou a comunidade à oração por ele; à servidora Maria, enfim a todos os que estavam unidos na paixão e na compaixão com o irmão que estava sofrendo. Desejou que a graça divina faça brotar muitas vocações para o sacerdócio, para a vida consagrada e de leigos e leigas engajados na Igreja e na sociedade.

Concluída a encomendação final, os padres e os familiares conduziram o corpo do Pe. Gabriel até o carro fúnebre. Dom José, os padres Bonetti, Talaska, Moacir e Antonio Valentini seguiram até o cemitério, onde o Bispo fez a bênção do túmulo.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais