A incerteza da política brasileira para 2018

Falta pouco menos de um ano para as eleições de 2018 e o cenário político ainda é de muita incerteza quanto aos nomes que serão postos à mesa para representar a população nos diferentes poderes. A incerteza, até o momento, paira entre o discurso populista de Luis Inácio Lula da Silva, líder nas pesquisas eleitorais e principal nome da esquerda no Brasil, e a candidatura conservadora de extrema-direita, representada por Jair Bolsonaro, que ganha cada vez mais corpo.

Lula e Bolsonaro seriam hoje, segundo pesquisas, os nomes que estariam disputando o segundo turno das eleições presidenciais. E você, em quem votaria numa eventual disputa entre estes dois candidatos? Lula fez muito pelo país quando foi presidente, principalmente pelas classes menos favorecidas, mas está atolado até o pescoço de denúncias e vê cada vez mais sua candidatura sendo inviabilizada pela justiça. Já Jair Bolsonaro é um extremista que defende idéias nacionalistas, a ditadura militar e até já mencionou a frase de um acusado de tortura, durante discurso no Congresso Nacional. A incerteza deverá ser ainda maior se o ex-presidente Lula for impossibilitado de concorrer em 2018.

A esquerda no Brasil não tem outro nome com mais chance de lograr êxito nas urnas do que Lula, mesmo cheio de denúncias. Ciro Gomes (PDT) poderia ser uma alternativa, mas é o tipo de candidato que até tem boas intenções, mas não consegue atrair a maioria do eleitorado de esquerda. Já o PSDB, um dos maiores partidos do país, viu seu líder maior, Aécio Neves, se esvair pelo ralo em razão das inúmeras denúncias e a possibilidade de cassação de seu mandato como senador. João Doria, com seu governo em São Paulo, vem despencando nas pesquisas eleitorais e dificilmente deverá emplacar. Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, parece novamente ser a alternativa do PSDB e principal nome tucano para a próxima eleição.

Em solo gaúcho a incerteza é ainda maior. O PT ensaia Miguel Rossetto, que não tem respaldo nenhum perante o eleitorado gaúcho e de esquerda. Tarso Genro é página virada e seria o sinônimo de mais uma derrota petista no estado. Paulo Paim e Olívio Dutra ainda seriam os nomes com maior possibilidade de emplacar uma candidatura ao Piratini. Ainda no campo de centro-esquerda, o PDT deverá lançar o ex-prefeito de Canoas, Jairo Jorge, que pode ser uma alternativa viável, mas que para vencer as eleições precisará repetir alguns fenômenos, como o que ocorreu com o ex-governador Germano Rigotto e o atual, José Ivo Sartori, que saíram com 4% no início do pleito e venceram as eleições.

O PMDB deverá lançar o atual governador José Ivo Sartori como candidato a reeleição, porém, o desgaste com o parcelamento dos salários deverá dificultar a vida do gringo no pleito do próximo ano. Sartori é forte candidato, mas a cada mês de salários parcelados, o atual governo cai pelo menos meio por cento nas intenções de votos. A cara na eleição para o governo do estado deverá ser do ex-prefeito de Pelotas, Eduardo Leite (PSDB). Apesar dos desgastes dos governos do PSDB em alguns municípios gaúchos como, por exemplo, Porto Alegre, Leite é o principal nome tucano para reconduzir o partido ao Piratini.

Por Fabio Lazzarotto

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais