Gráfico mostra casos confirmados, recuperados e ativos de covid-19 na região

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

O Comitê Regional de Atenção ao Coronavírus da AMAU – Associação de Municípios do Alto Uruguai vem realizando um levantando regional, para traçar as estratégias e ações de enfrentamento a Covid-19. O comitê vem monitorando 34 municípios (32 da AMAU, e mais Nonoai e Rio dos Índios, da Região 16 – Alto Uruguai Gaúcho), mediante informações oriundas das próprias secretarias de saúde. Estão sendo alvo de análise, na periodicidade de três vezes por semana (segunda, quarta e sexta-feira), os seguintes indicadores: casos positivos, recuperados, ativos, taxa de recuperação, óbitos, letalidade, disseminação per capita, municípios com casos e sem casos, surtos estabilizados, municípios sem internação e óbitos, entre outros.
A partir do próximo boletim o comitê começa a sistematizar, também, dados de ocupação dos hospitais da Região 16, que possuem leitos clínicos habilitados para internação da Covid-19.
MUNICÍPIOS:
Segundo o último levantamento (13/07), o mapa aponta que do total dos 34 municípios, 33 já apresentam casos positivos para o novo coronavírus. Também aponta que nove (09) municípios não apresentam mais casos positivos há 14 dias, o que dá um percentual de 29,41%. “Os municípios estão fazendo a sua parte, considerando que vários conseguiram estabilizar a situação”, pontua Arpini.
CASOS:
Segundo os últimos levantamentos os casos na região estão numa linha ascendente, partindo de 82 para 1.374 (13/07).
A região possui 1.374 casos que testaram positivo para o novo coronavírus e, destes, 1.252 recuperados, estando com 106 casos ativos. Com relação aos óbitos a região contabiliza, infelizmente, 16 óbitos, em 10 cidades.
A nossa taxa de recuperação está na ordem 91,12%, a maior aferição desde março de 2020. Com relação à letalidade o indicador aponta 1,164. Quando comparamos os indicadores com o Estado, verificamos que estamos em patamares aceitáveis, sendo 85% e 2,6 respectivamente.
“Para o universo de 34 cidades e 240 mil habitantes, nosso indicador de casos ativos, na ordem de 106, é aceitável e demonstra que nossas ações regionais e integradas estão surtindo efeitos”, argumenta Arpini.
TAXA DE OCUPAÇÃO
O comitê regional vem sistematizando a taxa de ocupação das alas Covid dos hospitais que possuem Unidade de Terapia Intensiva, sendo Fundação Hospitalar Santa Terezinha de Erechim e Hospital de Caridade. Até a presente data, a taxa de ocupação não ultrapassou o indicador de 50% e está previsto uma ampliação da capacidade de UTI do hospital público, em 50%, com mais cinco (05) leitos. Segundo dados de 13/07, a ocupação de UTI é de 47,83% e de leitos clínicos 29,27%.
PRÓXIMAS ANÁLISES:
Para ampliar a base de dados, no sentido de estarmos mais fundamentados e preparados na mensuração dos dados, o comitê passará a monitorar, também, os leitos dos hospitais regionais habilitados para internação em Covid, sendo os hospitais dos municípios de: Aratiba, Severiano de Almeida, Viadutos, Gaurama, Campinas do Sul, Nonoai, Estação, Erval Grande, Marcelino Ramos e Getúlio Vargas.
Segundo Arpini a leitura terá por finalidade avaliar a capacidade física instalada, considerando que já temos um razoável período para comparativos, considerando que o primeiro caso positivo para o Covid-19 foi confirmado em 19 de março de 2020, pela 11ª CRS.
Com os novos indicadores permitirão avaliações e reflexões sobre a taxa de ocupação na região da AMAU e R 16 – Alto Uruguai Gaúcho e vem ao encontro de um dos itens avaliados pelo Modelo de Distanciamento Controlado, que diz respeito à capacidade de atendimento hospitalar.
CRUZADA REGIONAL:
O comitê regional está realizando uma “Cruzada Regional de Sensibilização e Conscientização” da população regional, com várias vinhetas que estão sendo veiculadas nas rádios da região, sobre as medidas de prevenção preconizadas para o momento, com o propósito de massificar a importância da prevenção nesse cenário pandêmico.
BANDEIRA ESTADO E AÇÃO DA COMUNIDADE REGIONAL
Conforme o grau de risco em saúde, cada região (20 regiões) recebe uma bandeira na cor amarela, laranja, vermelha ou preta, de acordo com o Modelo de Distanciamento Controlado do Governo Estado. O monitoramento é semanal e a divulgação da bandeira ocorre na sexta feira, com espaço para apresentação de pedido de reconsideração até domingo e divulgação do resultado na segunda feira.
Nas últimas três semanas conseguimos acolher nossos pedidos de reconsideração, mas temos que ter presente, que a coloração da bandeira está atrelada a atuação, reação e adesão da comunidade as medidas de prevenção. “Só assim, atuando em sintonia e em equipe, teremos chance de permanecer na coloração laranja, que significa médio risco”, argumenta Arpini.
A manutenção da bandeira laranja, que significa médio risco, permite um olhar prioritário para a Saúde, nosso bem maior, mas, também, para os setores produtivos, tendo em vista que essa cor permite flexibilização de alguns serviços.

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais