Família sonha com um banheiro e mais dignidade

Diariamente esbarramos com Paulos, Terezas, Marias, Alices, Joaquins e Joãos, mas por vezes não paramos para ouvir suas histórias e compreender que há muitos Joãos que sofrem com a fome, falta de água encanada, problemas de saúde e dignidade em Erechim. O João que vos falo chama-se João Paim e já passou pelas páginas do Jornal Boa Vista e microfones da Cultura FM, mora no bairro Poletto, numa rua sem saída que dá para o beco, a referência é a casa 235, pois a sua não tem numeração. É lá que ele, a mulher e o filho de 11 anos sobrevivem aos percalços da vida. Há quase dois anos, envergonhado, João procurou a municipalidade e rádio, precisava sair da humilde casa dos pais e abrigar a família em outro local. Na época foi possível ajudá-lo por meio de campanha, erguer as paredes da casa, cobrir e colocar as janelas.

Problema de saúde grave

De lá para cá, a mulher de João precisou realizar um processo cirúrgico demorado, deixar de lado as faxinas que auxiliavam no sustento da casa e ainda se recupera. Já João, desde 1990 sofre com uma hérnia abdominal decorrente de um acidente de trânsito quando voltava do trabalho. Hoje seu problema de saúde é tão grave que o impossibilita de fazer coisas básicas, como andar de bicicleta, que era seu meio de locomoção, erguer peso ou qualquer outro esforço. Ele já passou por 10 cirurgias entre Erechim, Porto Alegre e Passo Fundo, mas sem sucesso. Perante tal dilema uma nova campanha foi realizada, João recebeu por meio de doação uma faixa abdominal que o auxilia para caminhar e o vereador Rafael Ayub, já deu encaminhamento aos exames e demais procedimentos para que uma nova cirurgia seja realizada. “Os médicos comentaram que estão analisando o meu caso e verificando a melhor forma de realizar a cirurgia para que eu não venha a óbito. Estão estudando a melhor maneira”, disse João.

Um banheiro para a família de João

Diante de tantas circunstâncias ele precisa terminar a casa. A busca é por doações e uma corrente solidária. A pequena residência não tem água encanada e a energia elétrica, um vizinho cede um bico de luz. Outra grande necessidade e sonho conforme João, é um banheiro. Após a cirurgia ele precisará se higienizar constantemente e o banheiro é primordial. Hoje a família sobe um morro e caminha por uma pequena estrada até chegar à casa dos pais de João, só assim é possível usar o banheiro.

A busca por doações

A família ainda precisa substituir o chão batido, que de tanto varrer já está cheio de buracos, por um piso e forrar a casa para se proteger do frio. “Nossa situação não é fácil, mas acredito que bastante gente tem material que não ocupa mais ou que está só atrapalhando e não sabe para quem destinar. Quem puder me ajudar eu agradeço muito. Os vizinhos que me ajudaram erguer as paredes da casa, disseram que me auxiliam para finalizar”, contou.

Dentre as dificuldades, o amor pelo futebol

Dentre tantas dificuldades o filho de João, Endrick, de 11 anos, estuda na escola Dom Pedro, ama jogar futebol e sonha em ser jogador. “Eu não consigo treinar todos os dias, o campinho é muito longe, mas quero ser jogador”, contou. Já João arrisca a própria saúde, indo de casa em casa em busca de árvores para podar ou serviços de jardinagem. “As pessoas sabem da minha situação e por vezes me arrumam um servicinho. Cheguei a ter 350 casas em que eu podava árvores, sempre trabalhei e agora, preciso muito de ajuda”, finalizou.

Doações

A necessidade é tão grande que João disponibilizou o número de telefone para quem desejar realizar sua doação – (54) 9 9934-5180. Como ele não tem condições de buscar, seja qual for a contribuição, as mesmas poderão ser deixadas na sua casa, no final da Rua Wilson Weber, tendo como referência a residência de número 235. João mora numa das primeiras casas do beco.

Por Carla Emanuele 

 

Comentários estão fechados.