Vereadores e COOPERHAF formam comissão para agilizar liberação dos terrenos no loteamento Bem Morar

Foi realizada, na noite da última segunda-feira (13), a audiência pública que tratou da liberação dos terrenos do loteamento Bem Morar Erechim. Com o plenário da Câmara Municipal lotado de munícipes à espera de um desfecho positivo após uma longa e incômoda espera, estiveram presentes o presidente da Cooperativa de Habitação dos Agricultores Familiares (COOPERHAF), responsável pelo loteamento, Jandir José Selzler, a assessora jurídica da cooperativa, Maria Loiva de Andrade, e o superintendente de Negócios de Habitação da Caixa Econômica Federal, Lucio Hackenhaar. A atividade foi mediada pelo presidente do Poder Legislativo, Alderi Oldra (PT), e contou, ainda, com a participação dos vereadores Ale Dal Zotto (PSB), Claudemir de Araújo (PTB), Eni Scandolara (Progressistas), Flavinho Barcellos (PDT), Ilgue Rossetto (PV), Lucas Farina (PT) e Sandra Picoli (PCdoB). Além dos presentes, foram convidados representantes do Ministério Público, da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) e do Poder Executivo.

Na ocasião, foram discutidas formas de agilizar a conclusão do processo, já que as obras do empreendimento, que conta com 355 terrenos, estão 95% concluídas. A única pendência, de acordo com as partes envolvidas, estaria a cargo da Secretaria Municipal do Meio Ambiente: a autorização para a construção do emissário, a passagem da tubulação de esgoto tratado no local. Mesmo com a garantia da cooperativa de que irá executar esta obra com recursos próprios, falta a assinatura por parte da Prefeitura. Este impasse tem gerado uma série de transtornos às centenas de famílias que adquiriram terrenos no loteamento – inclusive pagando o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), mesmo sem poderem construir suas residências.

A partir da audiência pública, foi formada uma comissão entre os vereadores e representantes e associados da COOPERHAF, a fim de, nos próximos dias, ter uma conversa definitiva com o Poder Executivo. “Vamos tentar mais uma vez buscar a solução para que o Município forneça essa licença. Caso essa proposta não se concretize, a segunda alternativa – que não consideramos a melhor, mas talvez seja o que reste – é entrar na justiça”, afirma o presidente Oldra, lamentando a ausência de representantes da Prefeitura na atividade. “Considero uma pena, pois seria importante o Executivo ouvir a explanação da cooperativa, do jurídico da cooperativa, as manifestações e angústias dos associados. Queríamos sair da audiência com uma solução, mas não aconteceu dessa forma”, completa.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais