Déficit de lenha na região do Alto Uruguai leva empresa a lançar programa de incentivo florestal

O receio de que dentro de poucos anos falte lenha na região do Alto Uruguai, caso novas áreas não sejam implantadas, tem preocupado entidades e indústrias que utilizam a lenha como matéria-prima. Com esta preocupação, a empresa Olfar lançou o Programa Regional de Energia Renovável, que visa à implantação de florestas energéticas com o objetivo de produção de biomassa florestal (cavaco) para geração de energia e calor.  O lançamento do programa aconteceu nesta quarta-feira (14/11), no Polo de Cultura, em Erechim, reunindo diretores e funcionários da empresa, produtores, empresários, técnicos da Emater/RS-Ascar, lideranças regionais, prefeitos, entre outros.

A abertura do evento contou com a presença do prefeito de Erechim, Luiz Francisco Schmidt, do gerente da Emater/RS-Ascar, Gilberto Tonello, do presidente da Associação Comercial, Cultural e Industrial de Erechim (Accie), Fábio Vendruscolo, e do presidente da Associação dos Municípios do Alto Uruguai (Amau), Ademir Sakrenzenski. Para o prefeito, o projeto será importante para “atender uma região que necessita produzir e consumir”.

O gerente Tonello observou que a região tem aptidão para expandir o reflorestamento e outras áreas, como a fruticultura, para o desenvolvimento regional. “A Emater vem trabalhando no fomento do florestamento e reflorestamento e é parceira neste projeto. Temos a preocupação se realmente haverá lenha para atender a demanda no futuro”, ressaltou.

Os presidentes da Accie e da Amau também elogiaram o programa e enfatizaram a importância do cultivo de eucaliptos, com o florestamento e  reflorestamento, para o desenvolvimento social e econômico da região. As duas entidades garantiram apoio ao programa.

Na sequência, palestrou o assistente técnico regional em Sistemas de Produção Vegetal da Emater/RS-Ascar, engenheiro agrônomo Luiz Ângelo Poletto. Ele apresentou um panorama da situação da silvicultura no Alto Uruguai, no Estado e no país, destacando os benefícios econômicos, sociais e ambientais da atividade.

Segundo ele, na região do Alto Uruguai a área total de plantio é de 21.572 hectares, sendo a maior parte de eucaliptos. Os municípios com maiores áreas são Erval Grande (4.750ha), Erechim (2.300ha), Aratiba (2.205), Benjamin Constant do Sul (1.450ha) e Itatiba do Sul (1.150ha). Já o consumo de lenha, cavacos e toras por empresas atinge três mil hectares ao ano. Somente uma indústria de Erechim consome 850 metros cúbicos de cavaco/dia, exemplificou.  Na sua avaliação, o plantio regional deve concentrar a produção destinada a toras, cavaco e pellets. Também apontou como sistema de plantio, o agrossilvipastoril, ou seja, a criação de gado de corte e de ovelhas de forma integrada com a floresta.

Poletto citou vários motivos responsáveis pela redução da madeira na região, entre eles, a queda do preço da lenha, o aumento da área cultivada com soja, as dificuldades de mão de obra, o manejo inadequado das áreas, a competição de preços de madeira oriunda de outras regiões, a falta de incentivo e a falta de equipamentos adequados para a exploração florestal.

A situação do reflorestamento no Estado também não é confortável, já que o Rio Grande do Sul tem 800 mil hectares de área plantada, sendo que 320 mil hectares são de área própria ou arrendada para a indústria de celulose.

O pesquisador da Embrapa Florestas, Erich Schaitza, falou sobre o uso da biomassa florestal na produção de energia no Brasil. Após as palestras, o engenheiro florestal e coordenador do programa, Roberto Ferron, apresentou o Programa Regional de Energia Renovável, que conta com a parceria de produtores rurais e o apoio da Emater/RS-Ascar e Embrapa, entre outras entidades.

 

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais