Um suplício para os caminhoneiros

Até o início do ano de 2016, acidentes graves proliferavam no entroncamento da BR 153 com a Avenida Caldas Junior (prolongamento da ER 135 até o Polo de Cultura), próximo ao Polo de Cultura. Mortes, pessoas presas às ferragens e sérias lesões costumavam ser os resultados das colisões, que geralmente aconteciam quando um veículo se deslocava sentido Getúlio Vargas/Erechim e tentava acessar a Caldas Júnior.

Para tentar mudar este cenário, o prefeito da época, Paulo Polis, a presidente da Câmara de Vereadores, Clarice Moraes, e a própria comunidade lindeira, solicitaram ao DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre) que fossem realizadas alterações no trecho. Após estudos, o local recebeu nova pintura, sinalização e mudanças no traçado. Ficou proibido o acesso à Caldas Junior para quem vinha pela rodovia e o acesso à Olfar para quem vinha de Erechim, assim, ninguém mais cortava a pista. Quem se deslocava de Getúlio Vargas com destino ao Polo de Cultura ou a ERS 211, precisava entrar pela Henrique Salomoni, pelo Trevo da Vieiro, o mesmo valendo para um grande número de veículos que seguiam em sentido contrário pela BR 153.

As medidas cumpriram com seu objetivo e acabaram com os acidentes de trânsito no local, porém teve início um novo problema, que dois anos depois, segue sem solução: caminhões emperrando na rampa da Henrique Salomoni, cruzamento com a Caldas Júnior e ERS 211.

Causas

São raras as semanas que passam sem que uma carreta não acabe presa no local ou formando um L na pista. Na época das mudanças, a então Secretaria de Segurança Pública e Proteção Social, imaginando que a subida íngreme ocasionaria problemas, transformou a Henrique Salomoni em preferencial, buscando evitar assim que veículos carregados ou pesados precisassem parar no cruzamento e perdessem força. O problema é que a grande maioria dos condutores que transitam pela Caldas Júnior não respeita a sinalização e quem está na preferencial acaba precisando parar, muitas vezes para evitar um acidente ou por desconhecerem que a preferência é deles.

Outro motivo apontado para a grande quantidade de carretas emperradas na pista seria, segundo o DAER (Departamento Autônomo de Estradas e Rodagem), o excesso de carga de alguns veículos. E tem ainda o problema da própria rampa, pois carretas prancha raspam embaixo e acabam presas.

Para piorar a situação, em setembro do ano passado, a camada de asfalto colocada no local durante manutenção, passou a derreter devido ao calor e o peso das carretas e um bi-trem chegou a atolar no local. Na data ocorreu um imbróglio: de acordo com o motorista, o guincho cobraria R$ 500,00 para retirar o veículo, com 50 toneladas de milho, do local, porém ele só tinha R$ 48,00 e afirmou que deixaria o bi-trem no local. Dias depois, novo atolamento e a prefeitura providenciou a retirada com o uso de uma carregadeira e na sequência ocorreu o conserto do asfalto. Mas o problema do derretimento persistiu e foi necessário retirar a camada asfáltica e logo após um acidente foi registrado no local. A condutora de um Crossfox teria perdido o controle do veículo quando subia a rampa para acessar a Caldas Junior, retornou de ré e acabou caindo com o carro de uma altura aproximada de três metros e invadindo o pátio de uma empresa do setor agropecuário. Ninguém ficou ferido.

Rampa da vergonha

Na última segunda-feira (09) mais um caminhão acabou emperrado no local e alguns leitores questionaram sobre o fato de “se o problema existe há dois anos, por que só agora chamam de rampa da vergonha”. O “apelido” foi dado pelos próprios motoristas, moradores e trabalhadores da área, que a cada carreta presa na subida comentavam “essa rampa é uma vergonha”. Como os casos foram se repetindo e até o momento nenhuma solução foi dada, a alcunha acabou pegando e hoje é usada para descrever o trecho. Poucos erechinenses ouvem “foi lá na rampa da vergonha” e não sabem sobre que local está sendo falado.

Aguardando solução

No último mês de junho, o DAER, por meio de nota, informou que o problema na inclinação da rodovia acontece por o trecho estar em seu traçado original e seria necessário realizar estudo para a criação de um projeto que mudasse esse traçado.

A prefeitura município já teria enviado ao órgão estadual um pedido de providências para que sejam sanados os problemas na circulação viária e na drenagem pluvial no trecho.

Por Alan Dias 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais