Das Cavernas

Era novembro de 2016. O norte da Tailândia havia me conquistado por sua beleza cênica, mescla de serenidade e paz entre as montanhas.

Visitei Chiang Mai, Pai e Chiang Rai.

Aquele canto do mundo quase me convenceu a ficar por lá.

Quase.

Mesmo fascinado pelo clima, a simplicidade do povo e os atrativos locais, nem tudo foi alegria.

Foi de lá que acompanhei perplexo e triste o desastre aéreo da Chapecoense que vitimou 71 pessoas, entre elas o amigo e colega Renan Agnolin, jovem brilhante que teve o futuro ceifado na tragédia.

Um ano e meio depois, aquela região afastada da Tailândia retorna ao radar. Não apenas meu, mas do mundo.

Apreensivos, acompanhamos o resgate das 12 crianças de um clube de futebol e seu treinador na caverna inundada de Tham Luang, justamente, na Chiang Rai que tão bem acolhe seus visitantes.

E aqui, mais uma vez no revés, assim como no episódio da Chapecoense, parece surgir  um rastro de luz no fim do túnel da humanidade, eis que sobraram orações e preces, pedindo por um desfecho feliz com os pequenos – que sabemos nem sempre ocorre.

Que sejamos, pois, tão ‘humanos’ nas vicissitudes do cotidiano, quanto nas desgraças coletivas.

Que respeitemos o próximo, apesar das diferenças. Aos brasileiros, em geral, isso nos falta – e muito.

Depois de dias de angústias, graças ao trabalho heroico dos envolvidos no resgate, enfim, as crianças saíram sãs e salvas da caverna de Chiang Rai.

Do ‘lado de fora’, agora cabe a nós, como ensina a alegoria de Platão, conseguirmos enxergar mais do que as sombras refletidas na profundeza de nossa aldeia global; não só na tristeza, mas também na alegria.

Que bom seria se ficássemos felizes com a felicidade daqueles que estão ao lado – independente de quem seja.

Por Salus Loch

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais