Produção leiteira tem queda na região do Alto Uruguai

A geada ocorrida em alguns municípios da região do Alto Uruguai, na semana passada, causou dessecação das pastagens de verão, reduzindo ainda mais a oferta de forragem destas espécies. Com a melhoria da umidade do solo, a partir das chuvas dos últimos dias, as pastagens anuais de inverno intensificaram seu desenvolvimento. De acordo com engenheiro agrônomo e extensionista rural do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim, Vilmar Fruscalso, no momento, os agricultores estão realizando adubação nitrogenada. A oferta de forragem aos rebanhos e os alimentos conservados estão sendo a principal fonte de fibra para os animais. Na parte da bovinocultura de corte, segundo Fruscalso, as condições sanitárias gerais dos animais são boas. Na região, o preço do boi gordo se mantém estável, em média R$ 6,50/kg. A oferta de bezerros é boa e a maioria dos animais é comercializada localmente.

Na área de bovinocultura de leite, as silagens safra reduziram a produtividade média em 6%. Já as silagens de safrinha foram mais fortemente atingidas, com quedas médias de 30% na produção, “comprometendo a qualidade nutricional”, avalia o agrônomo.

As perdas médias estimadas para a região do Alto Uruguai são de 20% da produção leiteira, comparada aos 83 milhões de litros projetados para os últimos quatro meses. “A redução na produção se deve à prolongada estiagem ocorrida na região”, pondera Fruscalso, ao ressaltar que alguns agricultores têm manifestado preocupação em relação ao futuro imediato e a médio prazo da atividade leiteira, em virtude da pandemia coronavírus. Os rebanhos estão em boas condições sanitárias. O leite foi cotado a R$ 1,45 o litro.

Na região, assim como no Estado, a Emater/RS-Ascar trabalha em parceria com a Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr).

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais