Com campanha adequada, CoronaVac pode impactar no controle da Covid-19 em dois meses

Coordenador dos testes no RS, Fabiano Ramos avalia resultados do imunizante como "excelentes"

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Os resultados de eficácia da CoronaVac apresentados pelo Instituto Butantan, de São Paulo, nesta terça-feira, foram “excelentes”, na avaliação do membro da Sociedade Riograndense de Infectologia e coordenador dos testes do imunizante no Rio Grande do Sul, Fabiano Ramos. Para ele, a depender da campanha de vacinação, os efeitos no combate à Covid-19 deverão ser percebidos em até dois meses.

“Neste momento, qualquer previsão é subjetiva, pois isso vai depender de nossa capacidade de vacinação. Pensando no começo em fevereiro, depois de duas a quatro semanas, perceberemos o ínicio do impacto do imunizante”, projetou. “Entre uma dose e outra, precisa ser respeitado o intervalo de 18 a 28 dias. Então, teríamos um mês para aplicar duas doses e mais um mês para percebermos o resultado”, complementou Ramos, que destacou o fato de as doses serem de fácil produção e armazenamento.

Com 50,38% de eficácia geral, 78% para casos leves e 100% em casos graves, a CoronaVac, de acordo com Ramos, assim que estiver à disposição da população, será uma importante aliada dos sistemas de Saúde, que enfrentam sobrecarga com pacientes infectados com o coronavírus. 
Segundo o médico infectologista, os dados publicados nesta terça-feira, que reiteram a segurança da vacina e seu auxílio no combate à Covid-19, apresentam um diferencial em relação a outros imunizamentes: foram coletados somente em profissionais da saúde, que estão naturalmente mais expostos ao vírus e a maior carga viral.
“Este recorte 100% com profissionais da saúde é uma peculiaridade dos testes com a CoronaVac, que os de outros imunizantes não tiveram. Essas pessoas estão constantemente mais expostas a uma maior carga viral da doença. Isto impacta nos resultados e ressalta a eficácia da vacina”, salientou. “As informações também foram colhidas em um momento de maior incidência da doença no país, ou seja, com maior circulação do vírus”.
A Anvisa informou no início da noite que a reunião que decidirá sobre a liberação emergencial de vacinas para a Covid-19 no Brasil deverá ocorrer no próximo domingo. Na ocasião, a agência deve analisar o uso dos imunizantes produzidos pelo Instituto Butantan (CoronaVac) e pela Fiocruz (Oxford/AstraZeneca). 

Ontem, o ministro Eduardo Pazuello disse que a vacinação no país iniciará quatro dias após o aval da Anvisa. Segundo o ministro, a previsão é iniciar a campanha com 6 milhões de doses de vacinas do Instituto Butantan e mais 2 milhões de doses da Fiocruz, que devem ser importadas da Índia.

Em Porto Alegre, a meta da Prefeitura é imunizar 156 mil pessoas na primeira etapa da campanha, incluindo servidores da saúde, idosos, pessoas com comorbidades e indígenas. Conforme o secretário da Saúde, Mauro Sparta, dependendo da quantidade de doses, professorse podem ser incluídos no grupo.

Fonte: Correio do Povo

Get real time updates directly on you device, subscribe now.