Zé da Cruz, a peça que faltava na administração Schmidt

A entrada do ex-vereador Zé da Cruz na administração Schmidt e Lando, é como diz a gíria futebolística quando um dirigente de um time contrata um jogador que não é nenhum craque, mas que cai como uma luva na equipe. Se o Zé não é nenhum extra classe, o prefeito Schmidt agiu inteligentemente no ponto de vista político. Qual é a maior deficiência da sua equipe de governo? Não ter ninguém que tenha relação com os bairros de nossa cidade, tanto é verdade que está chegando no terceiro ano de sua administração, e não conseguiu implantar o Orçamento Público, por falta de alguém que tenha essa relação com as Associação de Moradores e que conheça os seus dirigentes. Claro que é um pouco tarde, mas melhor tarde do que nunca.

Só resta um ano para aplicar as demandas do orçamento público, que serão levantadas durante o ano de 2019. Schmidt perdeu muito do seu capital político nestes dois anos de mandato na região onde tinha a sua grande base eleitoral. Um dos exemplos é o bairro Progresso, por não ter alguém que faça esse elo entre o governo e as comunidades. Evidente que existe muita resistência dentro do próprio governo ao ingresso de Zé na administração, no entanto Schmidt agiu corretamente neste caso.

O prefeito agiu certo neste caso, por ele sentir na própria pele a falta deste relacionamento com os bairros. Goste ou não goste do Zezinho, ele a peça faltava. No entanto o Zé não pode errar, e é o próprio prefeito que terá a que dar às condições para que ele possa fazer um bom trabalho junto às comunidades de nossa cidade.

 

Por Egidio Lazzarotto

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais