Pontapé inicial do Ypiranga

A apresentação do grupo de jogadores do Ypiranga nesta semana dá início a uma longa e árdua temporada.

O principal desafio é a Divisão de Acesso, que inicia somente no mês de março. Até lá, comissão técnica e jogadores terão tempo suficiente para se conhecer e fechar um pacto pelo acesso.

A Divisão de Acesso, bem como o futebol gaúcho de modo geral, é diferente de qualquer outro estado do país.

Aqui, nem sempre o melhor time vence. No meio do futebol, a competição é chamada de inferno pelos profissionais da bola. Bom, se a mesma é chamada de inferno, o Canarinho precisa ser o diabo.

Quem será o capitão?

Estou ansioso para saber quem será o capitão do Ypiranga na Divisão de Acesso.

Apesar de contar com muitos jogadores experientes e de sua confiança, não descarto a possibilidade de o treinador Márcio Nunes en-tregar a braçadeira ao zagueiro Saimon.

Apesar dos seus 26 anos, o atleta erechinense já jogou Copa Libertadores da América, vestindo a camisa do Grêmio, e foi campeão sul-ame-ricano com a Seleção Brasileira sub-20.

Em 2014, apesar de algumas desconfianças, a braçadeira foi entregue para um jogador da cidade, Jean Paulo, que foi fundamental para assumir as rédeas do vestiário em momentos conturbados, como durante a saída do gerente de futebol, Renan Mobarack.

Na minha modesta opinião, a função de capitão deveria ficar com Saimon.

Maior vencedor

Poucos sabem, mas o Ypiranga é o maior vencedor da Divisão de Acesso do futebol gaúcho. O Canarinho soma quatro títulos (1967, 1989, 2008 e 2014) juntamente com o São Luiz de Ijuí.

Entre os 16 participantes da edição 2018 da Divisão de Acesso, sete times ainda não foram campeões. No grupo do Canarinho, apenas União Frederiquense, Tupi e Igrejinha não conquistaram o título.

Por Fabio Lazzarotto

 

 

 

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais