Memórias da Aldeia – Apendicite

Por Enori Chiaparini

Apendicite

Os antigos hospitais de Erechim eram todos de madeira, oferecendo riscos de incêndio. O chão continha inúmeras frinchas entre as tábuas, prejudicando a assepsia e a desinfecção. Eram organizações pequenas, com 15 a 20 quartos, quando muito, em que os doentes eram recolhidos para serem melhor atendidos num contato contínuo médico-doente.

Chegava o pessoal do interior, raramente de automóveis, quase sempre a cavalo, ou de Aranha (Charrete), a procura do médico. Chegavam e diziam:

– Olha doutor, o Sr. precisa ir a tal lugar atender a um doente…

Ficavam na roça a trabalhando até o anoitecer e quando chegavam em casa encontravam a pessoa doente…

Daí, preocupados pela noite, sem recursos, pressionados, às vezes, pela vizinhança, que vinham visitar o doente… Diziam:

– Fulano não pode esperar, até amanhã… O doente pode piorar, pode morrer… Então, vinham chamar o médico.

Além das doenças, uma das principais ‘pedidas’ era para que os médicos fossem fazer partos. Existia nas décadas de 1930-40, uma verdadeira mania com as mocinhas que iam casar… Elas iam ao médico, com os pais e insistiam para serem operadas da apendicite. O médico, consultava e dizia, dá para esperar, vamos observar.

Acontece que a moça era pressionada pelo noivo para ‘operar’, a fim de que ele se livrasse dessa eventual despesa.

Então, operava-se muito, revelou o médico Angelo Luiz Caleffi, numa entrevista por mim realizada em março de 1985. Memórias que o tempo não apaga.

Por Enori Chiaparini

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais