Erechim corre o risco de perder sua primeira escola

Erechim caminha para seu centenário, em 2018, sem ter clara a noção de quão importante é a valorização de sua memória e patrimônio, seja por parte dos entes públicos e, até mesmo, da iniciativa privada, em alguns casos.

Nada surpreendente para uma cidade que viu calada e complacente, em nome da ‘modernidade’ e de alguns interesses menos nobres, a derrubada de uma das mais belas igrejas em estilo barroco do Brasil à época – a Matriz São José, demolida entre os fins de 1960 e início de 1970.

Não bastassem os ‘erros’ do passado, o município, no presente, sofre com a deterioração de alguns de seus símbolos, como a prefeitura, o Castelinho e o prédio dos antigos Correios (de propriedade federal).

Nesta lista, porém, devem-se acrescentar, além das edificações em art-decô, aquela que foi a primeira escola do município, construída em 1920 pelo professor Carlos Mantovani. A construção, hoje mantida pela família Rigoni – é preservada a duras penas pelo advogado aposentado Amaury Rigoni, de 73 anos (que é sobrinho em 2º grau do professor Mantovani) e um dos proprietários da área onde o educandário está localizado.

Localizada na Avenida Presidente Vargas, número 112, a ‘escolinha’ encontra-se encravada em terreno de 5 mil m2 de propriedade dos Rigoni, e, assim como toda a área, está sob arrastado processo de inventário.

Conforme Amaury, que alega estar fazendo o possível para preservar a antiga escola em pé, o objetivo é a defesa do prédio que, ao lado da antiga casa do professor Mantovani (construída em 1927, no mesmo terreno), representa a memória de uma cidade que não existe mais.

Amaury Rigoni – que tem três irmãos residindo fora de Erechim, explica que apenas ao final da divisão dos bens inventariados será possível determinar qual o destino da escola do professor Mantovani.

O problema, no entanto, é que, pelo atual estado de conservação, o fim da própria escola pode chegar antes do término do imbróglio judicial.

Alternativa

Entre as saídas possíveis, Rigoni – ao passo em que sustenta o interesse em defender a propriedade – lembra de um acordo celebrado entre 2004 e 2005 entre a família herdeira e a direção do Colégio Estadual Professor Mantovani.

A negociação, que à época teve como intermediário a prefeitura de Erechim, fez nascer uma ata prevendo que os Rigoni doariam (sem ônus) o prédio da antiga escola ao ‘novo’ Mantovani. Pelo acordado, no entanto, caberia ao poder público municipal arcar com os custos da remoção.

Apesar da aparente boa vontade inicial, a efetivação do negócio jamais se concretizou. Amaury Rigoni diz não saber o motivo.

Diretor vê possibilidade com simpatia

Em entrevista à coluna, o atual diretor do Colégio Mantovani, Roberto Henrique Bagatini (que não fez parte daquelas tratativas) acenou com simpatia para a possibilidade de receber o histórico prédio. Todavia, explicou que a decisão não competiria apenas a ele. ‘Vamos buscar resgatar esta ata e encaminhá-la para análise técnica e jurídica da 15ª Coordenadoria Regional de Educação’, assegurou Bagatini. O diretor, contudo, pontua que o educandário, num cenário de greve dos professores e outras necessidades essenciais, não teria recursos para arcar com as despesas da eventual mudança.

Resgate oportuno

Diante dos fatos postos, ressurge a possibilidade de que a centenária Erechim, seja via órgãos públicos e/ou iniciativa privada, resgate parte de sua história – antes que seja tarde, mais uma vez.

Avante, professor Mantovani!

Por Salus Loch

 

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais