Área da saúde se mobiliza para a prevenção da doença renal crônica

Uma em cada sete pessoas é portadora de doença renal crônica e a maioria não sabe, pois a doença não causa sintomas especialmente nas fases iniciais. Baseado nisso, o dia 12 de março, segunda quinta-feira do mês, foi instituído como o Dia Mundial do Rim e que neste ano tem como tema central “saúde dos rins para todos. Ame seus rins. Dose sua creatinina”.

Em Erechim, a campanha mobiliza a área médica dos Hospitais de Caridade, Santa Terezinha, Santa Mônica, Unimed, além de professores e acadêmicos do Curso de Medicina da URI que estarão presentes nestes locais e na própria Universidade realizando a campanha.

Idealizado pela Sociedade Internacional de Nefrologia (ISN) o Dia Mundial do Rim tem como objetivo reduzir o impacto da doença renal em todo o mundo. A Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN) coordena a campanha no Brasil, desenvolvendo material informativo e educativo sobre os fatores de risco para a Doença Renal Crônica (DRC) para todas as regiões do país visando estimular os cuidados com a saúde dos rins.

A DRC se caracteriza por lesão nos rins que se mantém por três meses ou mais, com diversas consequências, pois esses órgãos têm muitas funções, entre elas, regular a pressão arterial, filtrar o sangue, eliminar as toxinas do corpo, controlar a quantidade de sal e água do organismo, produzir hormônios que evitam a anemia e as doenças ósseas, entre outras.

Em geral, nos estágios iniciais, a doença é silenciosa, ou seja, não há sintomas ou são poucos e inespecíficos. Por isso, o diagnóstico pode ocorrer tardiamente, quando o funcionamento dos rins já está bastante comprometido, muitas vezes em estágio muito avançado, sendo necessário o tratamento de diálise ou transplante renal. Assim, são fundamentais a prevenção e o diagnóstico precoce da doença, com exames de baixo custo, como a creatinina no sangue e o exame de urina simples.

Segundo o médico e professor do Curso de Medicina da URI, Paulo Dalagnol, responsável pelas disciplinas de propedêutica e clínica médica na área de nefrologia, “existem algumas medidas para se evitar e prevenir a doença renal: alimentação saudável com pouco sal e açúcar; comer diariamente verduras, legumes e frutas; evitar refrigerantes e os anti-inflamatórios não esteróides; controlar a pressão arterial e o diabetes; fazer exercícios regularmente e evitar o excesso de peso e a obesidade”, resumiu.

Os números mostram que existem, sim, motivos para preocupação nessa área. Estima-se que cerca de 37 milhões de adultos nos EUA tenham DRC e a maioria não é diagnosticada. No Brasil, são cerca de 24 milhões.

As doenças renais são a nona principal causa de morte nos Estados Unidos, assim como no Brasil. Em torno de 48% das pessoas com função renal severamente reduzida e que não fazem diálise nem sabem que têm DRC.

Os custos são altos para tratar pessoas portadoras da doença renal crônica. Em 2017, o tratamento de beneficiários do Medicare, nos Estados Unidos, custou mais de US$ 84 bilhões e o tratamento de pessoas com DRT custou US$ 36 bilhões adicionais. No Brasil, somente com diálise, são gastos 6,7 bilhões de reais.
Os principais fatores de risco são a hipertensão, diabetes, doenças do coração e histórico de doenças renais. Pessoas acima de 60 anos também estão nesse quadro.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais