Período de férias deixa UBSs sem médicos em Erechim

Na segunda-feira, 08 de janeiro, moradores do bairro Progresso e do bairro Bela Vista entraram em contato com a “Bronca do Ouvinte”, da Rádio Cultura, para denunciar que as UBS (Unidade Básica de Saúde) destes locais estariam sem médicos, pois, todos que atendem nas unidades teriam entrado em férias ao mesmo tempo e não foram colocados substitutos.

Na terça-feira, 09 de janeiro, o secretário adjunto de Saúde em Erechim, Jackson Arpini, esteve no programa para esclarecer o assunto e disse que “é um assunto extremamente delicado e complexo a Pasta da Saúde”, mas afirmou que as reclamações dos ouvintes “são verdadeiras”. “Temos que considerar que dezembro, janeiro e fevereiro são meses um pouco complexos para a gestão de saúde, e também para as outras entidades, porque, por via de regra, costumeiramente, é o período em que as pessoas tiram férias. Então, nós temos na estrutura da Saúde 51 médicos e além deles, temos serviços terceirizados (psiquiatria e consultas compradas em especializações)”, explicou Arpini.

Faltam médicos para reposição

Sobre a falta de médicos nas UBSs, o secretário adjunto explicou que houve um somatório de culpa que resultou no problema, “Temos mais de 500 funcionários na área da Saude, então emitimos uma circular para que cada diretoria e seus subordinados observassem com rigor a questão das férias, para que fizessem uma composição com os servidores e a população não ficasse descoberta. Porém, também é público, que é muito difícil compor com os profissionais médicos, pois não temos excedentes, não temos profissionais médicos para reposição, e algumas gestoras das unidades não observaram isso (escala de férias) com critério”.

Segundo Arpini, hoje três Unidades Básicas de Saúde enfrentam problemas com a falta de médicos. As UBSs Progresso, Bela Vista e Estevan Carraro.

À respeito da dificuldade de compor o período de férias com os médicos, Arpini relatou que “temos médico em licença saúde, um que vai casar e entrou em férias, outro que falou ‘se as férias não forem concedidas eu exonero e saio do serviço público’”. O secretário adjunto contou ainda que neste ano o município deve perder sete médicos da rede pública. “Quatro exonerações e três aposentadorias”.

Médicos não querem trabalhar na rede pública

“Tentamos buscar médicos do concurso público e não temos no banco de concursos pediatras, ginecologistas e uma série de outros médicos. Um problema que não acontece só em Erechim, mas no Brasil como um todo”, frisou. Para ele, na Capital da Amizade, a dificuldade de se encontrar médicos dispostos a atuar na rede pública deve ser amenizada, a médio e longo prazo, com o curso de medicina no município.

De acordo com Arpini, Erechim paga a um médico da rede pública, para trabalhar 40h/-semana, um valor em torno de R$ 13 mil.

O valor seria um bom salário para a população em geral, mas na área médica é considerado baixo e esta seria uma das dificuldades, à nível de Brasil, para que tais profissionais aceitem trabalhar na rede pública.

Mudando a cara da Saúde

Questionado sobre a promessa de campanha do atual prefeito, Luiz Francisco Sch-midt, de que a cara da Saúde mudaria em Erechim no prazo de seis meses, Arpini frisou que “não melhorou como gostaríamos que tivesse melhorado ou pelo menos, não na velocidade que deveria ter melhorado”.

Para citar algumas me-lhorias ele pontuou: aumentou no implemento da Amau para a Fundação Hospitalar Santa Te-rezinha em quase 200%, disponibilidade de consultas especializadas passou de 100 para 500, aumento de 100 exames de tomografias/mês e 100 ecografias/mês, obras da nova UBS Estevan Carraro quase finalizadas, mudança de local da casa de apoio em Porto Alegre para área mais central e com 30 leitos, está sendo programada a construção da nova UBS Progresso, haverá reposição dos médicos que sairão (se houver profissionais disponíveis) e contratação de mais 07 profissionais (dois clínicos gerais, três pediatras e dois ginecologistas) se forem encontrados médicos dispostos a atuar nas fileiras do SUS, por contratação emergencial.

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.