O PT de Erechim voltou a ser o PT

O Partido dos Trabalhadores de Erechim, desde sua fundação, sempre se disse estar ao lado dos mais fracos e dos excluídos, mas nunca conseguiu eleger mais que dois vereadores numa legislatura. O PT não conseguia atrair a simpatia de uma boa parcela da classe média, já que nossa cidade é um tanto quanto conservadora em relação a mudanças. Mas com a chegada de Paulo Polis ao partido as coisas começaram mudar, já que muita gente da classe média de nossa cidade via com simpatia a proposta de mudança por ele apresentada, e com um partido bem estruturado conseguiu ter êxito.

A primeira grande mudança do partido se deu no momento em que Polis venceu as prévias internas do partido e principalmente quando ele conseguiu atrair o PMDB para ser seu vice. A partir desde momento, o PT de Erechim começou perceber que o social se faz com econômico e não com discurso.

Com a saída de Paulo Polis do partido, o PT de Erechim ficou sem saber o que fazer, já que permaneceu apenas com um vereador petista de raiz, Lucas Farina. Os vereadores Serginho e Alderi Oldra, por mais que neguem, são mais polistas do que petistas. Agora, sem Polis, o PT de Erechim voltou a ser o PT do passado e vai ter que reconquistar esta faixa da população que tem certa resistência a mudanças. Com isso os petistas vão ter que descobrir ou criar novas lideranças que circulem no meio da classe média de Erechim, onde é mais forte este conservadorismo. Se o Partido dos Trabalhadores quiser chegar novamente ao palácio municipal, vai ter que circular além dos sindicados e dos ditos excluídos da sociedade. Uma liderança que surge com muita força dentro do PT é o vereador Lucas Farina, quase que uma unanimidade entre os filiados ao partido.

Por Egidio Lazzarotto

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.