Erechim não sofrerá mais com estiagem

Transposição do Rio Cravo supre as necessidades em períodos de seca

Há longa data a Rádio Cultura e Jornal Boa Vista acompanham os desdobramentos sobre a transposição do Rio Cravo. Em abril de 2012, iniciava a execução de uma obra aguardada há décadas por toda a população, a transposição das águas do Rio Cravo para serem utilizadas no abastecimento de água do município.  A assinatura da ordem de serviço e o início da instalação dos tubos aconteceu às margens da ERS 135, próximo à Crade.

Foram assentados 16 km de canalizações, utilizados mais de 1.000 m3 de concreto, instalados 17 km de reforço de rede elétrica e ainda dois motores de 1.050 cvs, totalizando um investimento de R$ 26 milhões.

Já em janeiro de 2018 a Corsan realizou um teste na tubulação e pela segunda vez, desde que foi anunciada a conclusão dos trabalhos, a água jorrou para o interior do lago da barragem. A obra que contou com recursos oriundos União, garantiu segurança no abastecimento de água para a comunidade erechinense.

Mas, como encontra-se a transposição do Rio Cravo nos dias atuais? A boa notícia é que está em pleno funcionamento, conforme relata o presidente da Agência Reguladora de Erechim (AGER), Joarez Sandri. “Neste ano, nos meses de agosto e setembro tivemos uma estiagem considerável em função da falta de chuva no inverno e, o Rio Cravo passou mais de 20 dias acionado diariamente. A barragem da Corsan atingiu 50 centímetros de baixa e só se manteve em boas condições em função da transposição”, afirmou.

Sandri diz que a obra é a solução de problemas históricos. “É possível compreender a importância do Rio Cravo se pararmos para pensar que em 1980 e 1990 os rios Ligeirinho e Leãozinho atendiam a demanda, hoje não seria mais possível. Os mesmos não atenderiam mais a capacidade em momento de crise, por isso o real significado da transposição, baseado em estudos, análises técnicas, a comunidade não ficará desabastecida”.

O chefe da Unidade de Saneamento da Corsan local em exercício, Ivo Antônio Sobis, também salientou a importância da obra nos dias atuais. “A transposição consegue manter o nível da água da barragem. A estiagem deste ano não foi sentida pela comunidade, pois assim que o nível da água baixou, foi acionado o bombeamento e a transposição deu conta de chegar até o nível do vertedouro”, explicou. Ainda comentou que mesmo não sendo necessário manter o nível da barragem, o bombeamento/manutenção é realizado uma vez ao mês, para ter certeza que tudo está em perfeito funcionamento.

Por Carla Emanuele 

 

 

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais