Hospital de Caridade: filantropia e presidente sem remuneração

Na semana que passou entrevistamos o presidente do Hospital de Caridade, Cláudio Galli, momento em que ele fez um balanço de sua primeira gestão à frente desta importante instituição de saúde. Galli foi reeleito para os próximos três anos.

O Hospital de Caridade hoje está fora do Sistema Único de Saúde (SUS) e atende planos de saúde e particular, em contrapartida, realiza filantropia junto há várias instituições carentes de nossa cidade.

Durante a entrevista, o presidente contou que chegou ao fim do ano com as contas do hospital totalmente equilibradas e com projeto de fazer grandes investimentos físicos e tecnológicos. Outra informação, que me chamou atenção, foi que o presidente do conselho não recebe nenhuma remuneração, ao contrário de outros hospitais, que atendem pelo SUS. Nestes, os presidentes recebem boa remuneração e ainda exigem 13º salário e férias remuneradas, enquanto que algumas destas instituições passam por sérias dificuldades financeiras e precisam recorrer a suas prefeituras para manter os salários dos funcionários em dia.

“No ano de 2017, usamos 23 % do nosso faturamento em filantropia, chegando a um valor de R$ 7.797,982,00. Nos últimos três anos do meu mandato, tivemos uma média de 22,5% de filantropia sobre o total do faturamento. Durante os três anos de nossa primeira gestão, entre os anos de 2015, 2016 e 2017, os valores anuais atingiram média de R$ 7.275,00”, destacou Galli.

Por Egidio Lazzarotto

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais