O Choro que traz alegria, cultura e emoção

O grupo erechinense Musi’Art é formado por seis componentes com o objetivo de resgatar o Choro – que caiu no esquecimento cultural em terras brasileiras, deixando saudades dos tempos áureos das décadas de 1940, 50 e 60.   O grupo erechinense Musi’Art é formado por seis componentes com o objetivo de resgatar o Choro – que caiu no esquecimento cultural em terras brasileiras, deixando saudades dos tempos áureos das décadas de 1940, 50 e 60.   Segundo Arnaldo Savegnago, idealizador da proposta, em 2008, o Musi’Art utiliza a formação instrumental ideal para a execução deste Gênero Musical: Dois Cavaquinhos,Violão, Clarinete, Percussão e Intérprete Vocal.  Com obras inéditas e originais do Choro, compostas pelo próprio Arnaldo Savegnago, e também interpretando obras de outros compositores clássicos da época de ouro do Chorinho, entre eles, Valdir Azevedo, o grupo é, hoje, mais (re)conhecido fora de Erechim do que em sua terra natal.  Suas diversas apresentações pelo Brasil e até na Europa, comprovam isso.

Polônia se rende ao Choro de Erechim

Através da lei Rouanet e em parceria com empresas de Erechim, o Musi’Art realizou dois projetos, totalizando vinte e seis concertos em cidades das regiões Norte do Rio Grande do Sul e Oeste de Santa Catarina. O primeiro em 2008 e o segundo em 2012.   Em janeiro de 2012, aliás, foi finalizado o Nono Trabalho Fonográfico de Arnaldo Savegnago com a participação do Quinteto Musi’Art, intitulado ‘Brasileiríssimo’ – quando o músico apresentou 13 obras inéditas e autorais compostas originalmente para o Gênero Choro.  Em junho de 2014, o Musi’Art realizou uma turnê musical divulgando o Gênero Choro em várias cidade da Polônia, com enorme repercussão. No dia 29 de junho daquele ano, durante o encerramento da temporada musical da cidade de Poznan (Polônia), o grupo gravou um DVD ao vivo com obras inéditas de Arnaldo Savegnago e a participação da Orquestra de Câmara Capella Bydgostiensis daquela cidade, sob a regência do Maestro José Maria. Na mesma turnê, o Grupo se apresentou, ainda, na Lituânia.  Em Outubro de 2016 o quinteto participou da 10ª Edição ‘Encontro com a Música Clássica’, em Campo Grande/MS, sob a regência de Thais Costa.  Em sua discografia, Arnaldo Savegnago gravou 158 obras, sendo 84 autorais, num total de 569 obras. Desta discografia fazem parte dez CDs e um DVD. Foram comercializados centenas de exemplares de cada trabalho fonográfico.

Diálogo entre Cavaquinho e Clarinete

Em suas obras, Savegnago destaca sua identidade musical na utilização do fraseado, sempre em pergunta e resposta, em perfeita consonância, como se fosse um diálogo entre o Cavaquinho e o Clarinete. A mesma situação ocorre nas interpretações musicais, onde o Clarinete dialoga em contraponto com a intérprete vocal, conduzindo a harmonia para o fraseado seguinte. Em algumas frases das obras instrumentais, existe “…um quê” da música erudita, decorrente do estudo de inúmeras obras dos gênios do período clássico. Observa-se também outra característica: cadência plagal e a construção musical em forma de Rondó.

Afinal, quem é Arnaldo Savegnago?

Filho de Luiz e Augusta Savegnago, Arnaldo iniciou seus estudos de música clássica na Escola Municipal de Belas Artes Osvaldo Engel de Erechim, onde realizou todos os cursos pertinentes a música, entre eles: Teoria, Solfejo, Didática, História da Música entre outros e o Curso Completo de Violão e Noções Básicas de Piano (dois anos).    Estudou com renomados concertistas e professores entre eles Henrique Pinto em São Paulo e Abel Carlevaro em Buenos Aires, dando um novo impulso à sua música, racionalizando e disciplinando sua forma de tocar. Com estes desenvolveu a técnica violonística, estudou Composição, Harmonia e Interpretação Violonística. Arnaldo Savegnago tem experiências musicais no Brasil e no exterior. Realizou concertos em vários estados do Brasil e na Europa – em várias cidades da Suíça e da Áustria, onde esteve em 1992, gravando, em Duo Violão e Harpa.  Arnaldo Savegnago é Professor de Violão Clássico e Popular, Cavaquinho, em Erechim/RS, e em Concórdia/SC – EMAC (Espaço, Música e Arte Concórdia). Algumas de suas obras foram executadas em cidades da Bolívia e dos  EUA,   pelo concertista e professor de guitarra boliviano, Marcos Puña.  Na Polônia, Arnaldo Savegnago foi apresentado como um ¨virtuosi¨ pelo Maestro José Maria Florêncio.

Choro, gênero musical essencialmente brasileiro

O Choro começou a tomar forma no final do século XIX a partir da mistura de elementos das danças de salão europeias como “schottisch”, valsa, minueto, e, especialmente, polca e da música popular portuguesa, com influência da música africana. Há várias hipóteses sobre a origem do termo “choro”: teoriza-se que tem relação com a maneira sentimental de abrasileirar as danças europeias com uma execução de maneira ‘chorada’. O historiador e folclorista Câmara Cascudo fez relação com o “xolo” – um tipo de baile nos quais os escravos africanos se reuniam.

 

Por Salus Loch

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.