Trabalhadores da Menno param para protestar

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Na manhã desta terça-feira (10) os metalúrgicos da empresa Menno se recusaram a entrar para trabalhar protestando contra a proposta patronal de Convenção Coletiva, a retirada de direitos e a pressão por produção. Eles permaneceram em frente à fábrica aguardando a chegada da direção  e querem negociar a reativação do refeitório e outras pautas.

A dirigente sindical Sandra Weishaupt, que representa os trabalhadores da empresa na direção do Sindicato dos Metalúrgicos de Erechim, disse que a Menno foi a única empresa da cidade a fechar o refeitório durante a pandemia de Coronavírus. “Dentro da fábrica, a pressão por produção é grande, a empresa não está em crise, por isso é inadmissível tirar direitos dos trabalhadores”, denuncia Sandra.

A proposta patronal para a Convenção Coletiva também é motivo de protesto. Pela proposta as empresas poderão optar por reajuste de 3% a partir de janeiro de 2021 sem pagamento retroativo ou pagamento de abono de  R$ 400,00 para a faixa salarial até R$ 2 mil e R$ 650,00 para a faixa de R$ 2 mil até R$ 3 mil.

Os trabalhadores denunciam que não recebem reposição salarial desde maio de 2019, já que a negociação da Convenção não foi realizada este ano. Também não aceitam o abono porque os valores não são incorporados aos salários.

Por Assessoria da empresa Menno

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais