Participar ou calar?

Gosto muito de ler Mario Sérgio Cortella, na obra “Política para não ser idiota”, escrita em parceria com o Renato Janine Ribeiro, ele deixa uma reflexão importante ‘’Os ausentes nunca têm razão”, penso que esta frase tem muita força para o momento que vivemos no país, em especial a eleição de outubro.

Analiso o cenário de desesperança sentido pelo cidadão brasileiro, que coberto de razão não consegue entender – ou melhor aceitar – porque as dificuldades aumentam dia a dia, o desemprego, a violência, a corrupção e tantos outros despropósitos que somos sabedores, em contrapartida o imposto arrecado é salgado, aliás cada vez mais salgado.

Queremos as transformações para melhor o quanto antes, para termos qualidade de vida. Precisamos de educação integral, emprego digno, saúde e justiça social, enfim serviços públicos que hoje são analógicos precisam tornarem-se serviços públicos digitais – fazendo jus ao que é pago, ter qualidade e praticidade em todas as áreas, é o mínimo – criando uma analogia com a atualidade, diante os avanços tecnológicos e científicos, nós estamos atrasadíssimos.

A democracia nos permite poder escolher quem serão os detentores do poder político, a muito tempo enfrentamos um dilema, a escolha não se dá pelos melhores candidatos, propostas e planos de governo, mas sim pela exclusão, dos que são os menos piores.

Minha esperança é que um dia se inverta essa escolha, sempre lembrando que não podemos generalizar, existem pessoas preparadas, pessoas honestas e pessoas com condições de liderar o país, o estado, o senado, a câmara federal, as assembleias legislativas, os municípios e as câmaras de vereadores.

 

Por isso, o voto é a forma de acertar os ponteiros do relógio, a possibilidade de escolher deve ser levada a sério, ninguém está livre de equivocar-se na escolha, mas ter esse direito não pode ser desconsiderado.

Abster-se, anular e votar em branco, nada mais é, do que, aceitar as decisões sem reclamar e sem contestar, pois, os ‘’ ausentes ‘’ nunca tem razão.

Cito outro autor que admiro muito, que me desperta os ideais e me faz esperançar dias melhores, Eduardo Galeano, ‘’ A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que não deixe de caminhar’’.

Assim, sigo acreditando que política e a democracia participativa mudaram, mudam e vão mudar para melhor a vida das pessoas, afinal qual é o sentido da política, se não isso?

Viva a democracia, vote consciente, vote com esperança.

 

Vereador Ale Dal Zotto

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais