O retrato da estiagem no interior de Marcelino Ramos: fontes, açudes e riachos estão secando

Se não bastasse a pandemia do Coronavírus, agora a estiagem está castigando os municípios. Neste sábado (09) o Portal de Marcelino recebeu algumas fotos que mostram o drama que os agricultores estão passando com a seca que se prolonga desde dezembro em Marcelino Ramos. Em algumas propriedades além de estar faltando água para o consumo humano, os produtores precisam ser abastecidos com caminhões tanque para conseguir tratar os animais. A quebra na produção é significativa na maioria das culturas e o impacto na economia local será sentido em todos os setores.

No distrito de Coronel Teixeira, na propriedade de Ivo e Dionei Basso, os problemas também são graves, a exemplo de muitos outros locais. Segundo Dionei a última chuva consistente, que serviu para movimentar as águas foi no dia 16 de dezembro. De lá para cá, foram apenas pancadas de 10 a 20mm, volume insuficiente para manter as fontes, riachos e açudes. O açude que o produtor usa para abastecer os animais está secando, com volume mínimo de água, e caso não chova em breve ele vai ter que pedir ajuda com caminhões tanque, a exemplo do que já acontece com alguns vizinhos. A sanga, que passa em sua propriedade, desapareceu e no lugar somente pedras são encontradas. A lavoura de soja plantada com esperança de atingir até 80 sacas por hectare, em razão da falta de chuva, apresentou uma quebra expressiva. A média por hectare ficou entre 45 a 46 sacas.

O Decreto de Emergência pelo município vinha sendo aguardado pelos produtores de Marcelino Ramos há vários dias. O próximo passo é a homologação por parte da Defesa Civil do Estado. Os técnicos estarão no município na próxima semana analisando os dados apontados pelo município.

12346708674748088668585

Fonte: Portal de Marcelino Ramos 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais