Memórias da Aldeia – A mulher

Fico imaginando a luta, o trabalho das mulheres colonizadoras da Região do Alto Uruguai.

Ainda bem que na Praça da Bandeira eiste o desenho da mulher camponesa – feita no chão, com a pedrinha portuguesa. O artista foi muito autêntico: Imaginou, com realismo e sentimento: vestido longo, uma enxada no ombro, uma foicinha, para cortar o trigo… Além do trabalho doméstico, com muitos filhos, ainda acompanhava o marido nas lidas da lavoura. Esforços hercúleos, essas mulheres nos legaram. Temos uma dívida eterna de gratidão a essas heroínas anônimas.

Trabalharam na agricultura, no comércio, como parteiras, enfermeiras, professoras, empregadas, religiosas, benzedeiras, nas casas de pasto, hotéis, pensões, bodegas, padarias e muitas outras atividades.

E quase ninguém fala naquelas em que o peso do mundo as obrigou amar, na mais profunda e completa solidão… Temos um compromisso com a vida e a história das mulheres pioneiras que construíram Erechim e região com seu trabalho e suas lágrimas.

A você minha mãe, que só a vejo em pensamento, meu carinho, minha gratidão e meu eterno reconhecimento, numa canção de saudade permanente.

Por Enori Chiaparini

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais