“Infraestrutura é fundamental para o desenvolvimento do Alto Uruguai”, diz Márcio Pavoni

Dentro da série de entrevistas que a Rádio Cultura está realizando com os pré-candidatos a deputado (estadual e federal) pela região Alto Uruguai, conversamos na última semana com Márcio Pavoni, do Solidariedade. No bate papo com a bancada do programa Estúdio Boa Vista, Pavoni destacou algumas das principais demandas da região, observadas em suas caminhadas pelo Alto Uruguai, entre elas a necessidade de melhoras na infraestrutura e na segurança pública. O pré-candidato também fez questão de enaltecer que o número de votos necessários para o Solidariedade viabilizar sua candidatura é menor do que na maioria dos outros partidos.

Bandeiras
A primeira bandeira a ser levantada pelo pré-candidato Márcio Pavoni é a melhora na infraestrutura do Alto Uruguai. Segundo ele, faz 20 anos que a região não conta com obras neste setor. “Nas décadas de 80 e 90 houve muitos contratos para execução de diversas obras de infraestrutura no Alto Uruguai, hoje 35% dos municípios não possuem ligação asfáltica”, destacou. Outro assunto presente na lista de prioridades é a falta de segurança nos municípios. Márcio Pavoni destacou que “na década de 90, por exemplo, o efetivo da Brigada Militar era de aproximadamente 30 mil policiais militares e atualmente possui metade deste número”.

Viabilidade
Quando a assunto passou para a viabilidade de sua candidatura, Márcio Pavoni enalteceu que foi o primeiro pré-candidato a ser lançado no estado. “Nossa pré-candidatura foi lançada em janeiro de 2017, e de lá para cá percorremos aproximadamente 190 municípios e conversamos com mais de cinco mil profissionais da área odontológica”. Quando perguntado sobre o número aproximado de votos necessários para buscar uma vaga na Assembleia Legislativa, Pavoni informou que o diferencial de sua candidatura é o número baixo de votos necessários. “Na comparação com as eleições passadas, a nossa candidatura precisaria de mais ou menos 15 mil votos para buscar uma cadeira”.

 

Por Fabio Lazzarotto

Comentários estão fechados.