Fake News: o vírus que promete se compartilhar nas eleições 2018

Leia ainda: Impunidade; Efeito bumerangue; Movimento legítimo, mas com bandeiras políticas; Primeira Etapa; Uma candidatura natural

As eleições de outubro prometem uma das campanhas mais sujas e com o maior número de fake news – notícias falsas – da história. Se no período da greve dos caminhoneiros o número de fake news bateu todos os seus recordes, imaginem o que serão os 45 dias de campanha eleitoral. Até mesmo nós, que estamos acostumados a trabalhos com jornalismo e notícias, muitas vezes nos perguntamos “será que tal fato é realmente verídico?”. O problema é que não temos um detector de mentiras e é importante que antes de se compartilhar qualquer notícia, as pessoas procurem se inteirar sobre o assunto para não propagar uma fake news.

 

_________________________________________________________________________

Impunidade
Por outro lado, tem muitas pessoas, especialmente aquelas ligadas a determinados grupos políticos, que sabem se tratar de uma notícia falsa, mas fazem questão de compartilhar as fake news, afinal, o importante é o assunto ir ao encontro do que defendem. Em tempos atuais, a falta de punição para quem cria notícias falsas ou compartilha, faz com que este número aumente cada dia mais.

 

____________________________________________________________________________

Efeito bumerangue
Alguém tinha dúvida de que a conta pela redução no preço do óleo diesel seria repassada para a população? Se tem alguém que nunca perde nas negociações ou acordos é o governo. A conta já está sendo cobrada, inclusive na própria gasolina, que sofreu aumento no dia seguinte ao governo anunciar a redução de R$ 0,46 no preço do diesel. Apesar das manifestações, quem sempre paga a conta é o povo.

__________________________________________________________________________

Movimento legítimo, mas com bandeiras políticas
A paralisação dos caminhoneiros começou pelos próprios e com maciço apoio da população, porém, com o passar dos dias, inúmeros infiltrados políticos tornaram o palanque de reivindicações dos caminhoneiros em palanque político. As faixas e os discursos mostravam que o movimento iniciou pelos caminhoneiros e passou logo após pela extrema direita, que defendia a intervenção militar. Já na reta final da paralisação, vários setores de esquerda tentaram emplacar o discurso de “Fora Temer”, buscando derrubar o frágil governo brasileiro. Todos têm sua legitimidade, mas dizer que não houveram bandeiras partidárias infiltradas é, no mínimo, subestimar a capacidade das pessoas em fazer a leitura dos fatos.

 

__________________________________________________________________________

Primeira Etapa
O município está finalizando a limpeza e retirada de árvores do terreno destinado para a construção do Distrito Industrial Dadid Zorzi (Distrito Norte). Em entrevista para a Rádio Cultura, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Altemir Barp, informou que a demarcação das ruas e terrenos será realizada nesta primeira etapa do projeto. Na segunda etapa, após abertura do edital, será realizada a pavimentação das ruas, bem como o restante da infraestrutura.

 

__________________________________________________________________________

Uma candidatura natural
Nos últimos dias ganhou força o discurso de alguns tucanos que defendem a candidatura do vereador Emerson Shelski (PSDB) a deputado estadual. Segundo uma fonte interna do governo, ligada aos tucanos, não seria nenhuma surpresa o partido do prefeito lançar uma candidatura a deputado estadual. Por outro lado, a possibilidade teria deixado outros pré-candidatos a deputado e ligados aos palacianos um tanto quanto irritados.

 

Por Fabio Lazzarotto

Comentários estão fechados.