Produtores da região do Alto Uruguai recebem laudos de análise de queijos coloniais

Com objetivo de analisar a qualidade do queijo colonial no Estado, a Emater/RS-Ascar, a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação (Seapi) e a Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) firmaram uma parceria visando análise físico-química e microbiológica do queijo. No Estado, foram analisadas 312 amostras de queijo colonial de fabricação caseira e de agroindústrias, pelo Laboratório de Microbiologia e Hospital Veterinário da Ulbra, em Canoas. Na região do Alto Uruguai, foram analisadas 26 amostras de produtores de dez municípios que cederam os queijos.

 

Os laudos com os resultados das amostras da região foram repassados em reunião com os produtores e técnicos da Emater/RS-Ascar dos municípios envolvidos, nesta quarta-feira (08/08), no Centro de Treinamento de Agricultores de Erechim (Cetre). O repasse dos resultados foi feito pela química industrial Fernanda Fabero Guedes e pela médica veterinária doutora Cristina Zaffari Grecelle. Também participou da reunião a engenheira de alimentos da Emater/RS-Ascar Bruna Bresolin Roldan.

 

Foram analisados indicadores como teor de gordura, acidez, umidade, gordura, proteínas, cinzas, cálcio e sódio. Segundo as especialistas, todos as amostras da região estão dentro dos padrões de segurança alimentar. Também foram observados os parâmetros da Portaria 146/1996 do Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária com regulamento técnico de identidade e qualidade de queijos. O projeto tem como objetivo definir características específicas do queijo colonial e qualificar a assistência ao pequeno produtor.

 

A médica veterinária Cristina Grecelle chamou atenção para diversos procedimentos que devem ser observados pelos produtores para que produzam queijos com qualidade, entre eles, a sanidade dos animais, pasteurização de forma eficiente, tempo de maturação, procedimento de higiene geral e qualidade da água.

 

A reunião foi aberta pelo gerente regional adjunto, Marcos Gobbo, e pelo assistente técnico regional em Organização Econômica da Emater/RS-Ascar, Carlos Angonese.

 

 

Comentários estão fechados.