Campanha contra a poliomielite e sarampo será lançada nesta sexta

Acontece, nesta sexta-feira, 10, às 10h, no Auditório da Secretaria Municipal de Saúde de Erechim, o lançamento da Campanha contra a Poliomielite e Sarampo, através da Secretaria Municipal de Saúde em parceria com a Unimed, Centro Hospitalar Santa Mônica, Fundação Hospitalar Santa Terezinha e Hospital de Caridade, Rotary, Rotaract, Rotaract Kids e Casa da Amizade.

Poliomielite:

A poliomielite (do grego polios,cinzento, e myelos, medula espinal), também conhecida por paralisia infantil ou pólio, é uma doença infecto-contagiosa viral aguda, que possui como principal característica quadros de paralisia flácida súbita, no qual o paciente sofre fraqueza ou paralisia em determinada parte do corpo por redução do tônus muscular.

Transmissão:

Apesar dessa denominação, a poliomielite não é uma doença que acomete apenas crianças. Dessa forma, os adultos que não foram imunizados também correm o risco de infecção. O que provoca essa infecção é a transmissão do poliovírus, um vírus RNA que vive no intestino, que possui três sorotipos: I, II e III.

Incubação:

Ao se instalar no hospedeiro, o vírus passa por um período de incubação, período que pode variar de 2 a 30 dias, levando de 7 a 12 dias na maioria dos casos. É uma doença viral que pode afetar os nervos e levar à paralisia parcial ou total.

Sintomas:

Na maioria  dos casos, o paciente apresenta poucos sintomas (forma subclínica), podendo ser até mesmo um quadro assintomático da pólio.

Manifestação:

A poliomielite pode causar a forma paralítica da doença em cerca de 1% dos pacientes infectados, sendo capaz de provocar sequelas permanentes, insuficiência respiratória e levar o paciente à morte. Em grande parte dos casos, a manifestação da doença ocorre nos membros inferiores de forma assimétrica, ou seja, em apenas um dos membros.

Sarampo:

Os sintomas iniciais apresentados pelo doente são: febre acompanhada de tosse persistente, irritação ocular, coriza e congestão nasal e mal estar intenso. Após estes sintomas, há o aparecimento de manchas avermelhadas no rosto, que progridem em direção aos pés, com duração mínima de três dias. São comuns lesões muito dolorosas na boca. A doença pode ser grave, com acometimento do sistema nervoso central e pode complicar com infecções secundárias como pneumonia, podendo levar à morte. As complicações atingem mais gravemente os desnutridos, os recém-nascidos, as gestantes e as pessoas portadoras de imunodeficiências.

Transmissão:

A transmissão ocorre diretamente, de pessoa a pessoa, geralmente por tosse, espirros, fala ou respiração, por isso a facilidade de contágio da doença. Além de secreções respiratórias ou da boca, também é possível se contaminar através da dispersão de gotículas com partículas virais no ar, que podem perdurar por tempo relativamente longo no ambiente, especialmente em locais fechados como escolas e clínicas. A doença é transmitida na fase em que a pessoa apresenta febre alta, mal-estar, coriza, irritação ocular, tosse e falta de apetite e dura até quatro dias após o aparecimento das manchas vermelhas.

Prevenção:

A suscetibilidade ao vírus do sarampo é geral e a única forma de prevenção é a vacinação. Apenas os lactentes cujas mães já tiveram sarampo ou foram vacinadas possuem, temporariamente, anticorpos transmitidos pela placenta, que conferem imunidade geralmente ao longo do primeiro ano de vida (o que pode interferir na resposta à vacinação).

Comentários estão fechados.