Vereadores aprovam projeto da liberdade econômica e aguardam sanção do Executivo

Tem sido uma das principais bandeiras da atual legislatura da Câmara a defesa pela liberdade econômica em Erechim. Com o objetivo de reduzir a burocracia e facilitar a formalização e ativação de empreendimentos no município, os parlamentares apresentaram ao Poder Executivo sugestões, criaram a Frente Parlamentar pela Desburocratização e, após diversas reuniões com entidades, os vereadores Claudemir de Araújo (PTB), Rafael Ayub (MDB) e Renan Soccol (Progressistas) protocolaram o projeto de lei que institui a livre iniciativa e o livre exercício de atividade econômica, aprovado por unanimidade na sessão ordinária do dia 4 de maio.

Mesmo com a boa aceitação do Executivo em relação às propostas apresentadas pela frente, o referido projeto foi vetado pelo prefeito, sob a alegação de sofrer de “vício de iniciativa”, sendo inconstitucional por “violar o Princípio da Separação dos Poderes”. Mesmo com a discordância em relação ao veto, por entenderem que o projeto não apresenta vício de iniciativa, os representantes do Poder Legislativo optaram por mantê-lo, após votação realizada na sessão ordinária desta segunda-feira (8). Na mesma ocasião, também foi votado o projeto encaminhado pela Prefeitura sobre o mesmo tema, com a mesma finalidade, com emendas protocoladas pelos próprios vereadores.

Presidente da Frente Parlamentar pela Desburocratização, o vereador Rafael Ayub considera de grande importância e necessidade a aprovação de tal lei, independente de quem seja seu autor, mas lamenta a atitude da Prefeitura nesse caso específico. “Há momentos em que a Casa Legislativa parece não existir para o Executivo. Foram feitas sugestões para criação de um projeto e não vimos nada acontecer. Aceitamos o veto para não termos o empecilho na aplicação da lei, já que o prefeito vetou um projeto praticamente idêntico ao que encaminhou posteriormente. Todos deveriam pensar no mesmo sentido, em favorecer o crescimento econômico do município, sobretudo neste período de enorme crise”, afirma.

Aprovado com emendas, o projeto novamente depende da sanção do Executivo para passar a vigorar. “Esperamos que o a lei seja sancionada com as emendas aprovadas pela unanimidade dos vereadores”, completa Ayub.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais