Tecnologia desenvolvida pela URI e UFSM permite aproveitar sais residuais da glicerina

A referida Tecnologia é derivada das dissertações de mestrado dos acadêmicos Marshall Paliga e Carolina Elisa Demaman Oro, sob orientação dos professores Rogério Marcos Dallago e Marcelo Luis Mignoni e com a colaboração do Professor da UFSM e ex-professor da URI, Marcus Vinicius Três. À URI coube as etapas de desenvolvimento e avaliação das metodologias necessárias para a purificação do sal residual oriundo da etapa de destilação da glicerina. Além disso, a URI, por estar próxima e ter acesso à fonte deste resíduo foi a colaboradora que mais contribuiu em termos de conhecimentos pré-existentes. Foi a etapa mais trabalhosa, estando envolvidos 4 pesquisadores (dois Professores e 2 acadêmicos de Pós-graduação). O professor Marcus, da USFM, foi o responsável pela realização de análises necessárias para a validação das metodologias propostas.

A nova tecnologia desenvolvida por essa parceria permite o aproveitamento da glicerina, um subproduto gerado na produção de biodiesel. O método criado por eles é uma alternativa para o uso comercial dos sais residuais gerados durante o processo de destilação da glicerina. Segundo os pesquisadores, as usinas poderão faturar R$ 15 milhões por ano com a venda do sal purificado, e uma economia de aproximadamente R$ 2,25 milhões de reais com a conta do aterro desse material que não será mais descartado, colaborando para a preservação do meio ambiente. Por isso, a Coordenadoria de de Transferência de Tecnologia da Agittec e pesquisadores buscam parcerias que permitam levar a tecnologia até as usinas.

Segundo a edição mais recente do Anuário Estatístico da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), de 2018, as usinas de biodiesel fabricaram um total de 440,6 milhões de litros de glicerina como resultado de suas atividades. Para cada 10 litros de biocombustível é gerado cerca de um litro de glicerina.

Em entrevista para o portal da revista Biodieselbr, mídia especializada no assunto, o professor do curso de Engenharia Agrícola da UFSM em Cachoeira do Sul, Marcus Vinícius Tres, explica que o problema é que essa glicerina não sai das usinas em condições de uso imediato. Antes, o material precisa passar por um processo de destilação que deixa para trás quantidades consideráveis de um tipo de resíduo sólido (entre 17 e 18 mil toneladas apenas no ano passado) que, até agora, tinha que ser descartado com cuidados especiais que geram um alto custo para as empresas do setor.

“Ele é classificado como um resíduo classe 2 não inerte, ou seja, possuem propriedades, como biodegradabilidade, combustibilidade ou solubilidade em água. Isso exige que ele seja descartado em aterros sanitários especiais para a indústria química ao custo de R$ 150 por tonelada”.

Para identificar e buscar soluções para reduzir o custo do descarte dos resíduos, o grupo de pesquisadores realizou visitas técnicas em empresas do setor onde ocorreram reuniões com o pessoal da direção de algumas usinas e esse foi um dos problemas que eles identificaram como prioritário.

Como a maior parte do resíduo era formada por sais, uma solução seria destiná-lo para a indústria de alimentação animal, mas isso esbarrava na rejeição do produto in natura. Esse sal está contaminado por ácidos graxos e os animais não o aceitam sem purificação, mesmo quando misturado à ração convencional, explicam os pesquisadores.

Entenda como funciona o  Processo de Purificação de Sal Residual e Uso do Sal desenvolvido pelos pesquisadores

O sal bruto é misturado com um solvente que separa contaminantes do sal purificado. No final, cerca de 80% da massa total pode ser aproveitada.

“Estamos falando de algo em torno de 14 a 15 mil toneladas anuais, além de uma economia de aproximadamente R$ 2,25 milhões por ano só com a conta do aterro desse material”, ressalta o professor Marcus. Ele estima, ainda, que as usinas também poderão ganhar R$ 15 milhões por ano com a venda do sal purificado. O professor frisa que com a nova tecnologia, o setor deixa de gastar com sua disposição final, além de ganhar com a comercialização de um produto.

“Também podemos relacionar ganhos indiretos vinculados à imagem e visibilidade da empresa no que se refere às questões ambientais”, conclui.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais